Última hora

Última hora

Aplicação anti-violação na Índia

Em leitura:

Aplicação anti-violação na Índia

Tamanho do texto Aa Aa

Nova Deli é conhecida como a capital das violações devido ao elevado número de crimes sexuais cometidos na cidade indiana.

Não é por acaso que as tecnologias que permitem melhorar a segurança das mulheres tenham cada vez mais sucesso, em particular as aplicações baseadas em sistemas de geolocalização.

Soniya Rana vai de taxi de casa para o trabalho e usa uma aplicação chamada alerta ICE.

Em inglês ICE significa em caso de emergência.

A aplicação envia uma mensagem com os dados de localização a uma lista pre-definida de contactos.

“Já atualizei o número de telefone do meu pai. Quando entro no taxi, mesmo se for à uma da manhã ele recebe a informação de que entrei no taxi com a localização precisa e a cada quinze minutos recebe a atualização da localização”, disse a jovem indiana.

Várias empresas de telecomunicações lançaram aplicações similares.

A aplicação SafeBridge foi concebida para situações de emergência.

Em caso de perigo, o utilizador carrega num botão chamado “socorro”.

De imediato, o telemóvel envia uma mensagem com a informação de geolocalização.

Quando uma pessoa está em perigo, o mais importante é poder usar o botão para pedir ajuda, o que permite enviar um sms aos números pré-gravados. É muito difícil fazer uma chamada quando há problemas mas é mais discreto carregar no botão e enviar um sms”, disse o gestor da Telerik India, Abhishek Kant.

A aplicação “SafeBridge” desenvolvida pela Telerik India pode ser usada pela generalidade da população já que não requer um telemóvel com ligação à Internet.

Na Alemanha, as novas tecnologias acompanham as mulheres grávidas.

Babywatch é uma aplicação que permite ouvir e visualizar as pulsações do coração do feto.

A aplicação inventada pela eslovena Urska Srsen requer apenas um smartphone.

O aspeto inovador prende-se com uso do telemóvel. A aplicação pode ser usada por qualquer pessoa que assim pode aceder a uma experiência interativa, a grávida pode gravar o batimento cardíaco e partilhá-lo com os próximos. Na primeira utilização a aplicação pede informações sobre a gravidez para calcular o dia do nascimento do bebé e atualizar a informação sobre a gravidez”, disse Urska Srsen.

Para usar a aplicação o utilizador deve desligar a Internet para evitar o contacto do bebé com as ondas eletromagnéticas.

Susanne Wengenmeier segue de perto os batimentos cardíacos do segundo filho.

“No consultório médico, só ouvimos a pulsação durante dez segundos. Neste caso podemos ficar sentados a ouvi-la durante horas, a brincar e a ver quando é que o bébé se mexe. É muito bom para os pais. O meu marido vai ficar muito entusiamado porque é uma tecnologia com botões e luzes, pode ouvir o bébe e ser mais ativo. Para os homens o relacionamento com o bebé é mais dificil antes do nascimento, penso que ele iria usar a aplicação todas as noites”, disse Susanne Wengenmeir.

A aplicação custa 99 dólares, cerca de 75 euros e deverá ser posta à venda em Dezembro.

A inventora da tecnologia espera que ela possa ser usada pelos médicos para seguir as pacientes à distância.