Última hora

Última hora

Filipinas: orar em tempo de fome

Em leitura:

Filipinas: orar em tempo de fome

Tamanho do texto Aa Aa

Nas Filipinas, as igrejas encheram-se este domingo de gente. É na fé que a maior comunidade católica da Ásia procura conforto nove dias após a passagem do tufão Haiyan.

De visita à ilha de Samar, o chefe de Estado prometeu fazer tudo para ajudar a população e desafiou os filipinos a dar o exemplo.

“Quando falamos em desastres naturais, o que podemos fazer é rezar. Quero dizer que o governo está a fazer tudo para auxiliar os filipinos e que estamos a receber ajuda de pelo menos 28 países. É evidente que é possível fazer melhor, mas para isso é preciso que todos ajudem” refere Benigno Aquino.

Criticado pela forma como está a lidar com o desastre natural, chefe de Estado filipino descarta qualquer responsabilidade e aponta o dedo às autoridades locais.

A ONU estima em mais de dois milhões o número de filipinos a necessitar urgentemente de alimentos. Os obstáculos são ainda muitos, mas a ajuda começa finalmente a chegar às zonas mais isoladas.

O último balanço aponta para cerca de 4000 mortos e perto de 1200 desaparecidos. As Nações Unidas acreditam que o número de vítimas é superior.