Última hora

Última hora

Grécia celebra aniversário da revolta contra a junta militar

Em leitura:

Grécia celebra aniversário da revolta contra a junta militar

Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de gregos desfilaram este domingo, nas ruas de Atenas e Salónica, para celebrarem o quadragésimo aniversário da revolta estudantil contra a junta militar que governava o país com mão de ferro.

O centro das comemorações foi o Politécnico de Atenas, onde, a 17 de novembro de 1973 ocorreu um verdadeiro banho de sangue quando os tanques do exército esmagaram os portões e invadiram o edifício.

Hoje, para além dos pais, são também as novas gerações que se associam às comemorações:

“Vim com a minha mãe para deixar algumas flores aqui no campus do Politécnico. Nunca tinha aqui estado”.

euronews: A tua mãe explicou-te o que aconteceu aqui?

“Sim, contou-me sobre o Politécnico e sobre o tanque que destruiu o portão”, conta um menino.

“Viemos homenagear os que foram mortos, que morreram pela liberdade e democracia. Quero que os meus filhos percebam estes ideais, para os guardarem nas vidas deles e viverem com eles no futuro”, diz uma mãe.

Da ditadura militar à ditadura financeira. Os gregos aproveitaram a ocasião para exprimirem, uma vez mais, a revolta pela austeridade que asfixia o país, ao mesmo tempo que mostram que o tempo passa mas a memória fica:

“Os tanques da junta militar invadiram o campus do Politécnico, num assalto para acabar com a revolta estudantil. Eram três da manhã, do dia 17 de novembro de 1973. 40 anos depois, a memória está viva”, lembra a nossa correspondente em Atenas, Nicoleta Drougka.