Última hora

Última hora

Irão: O impacto económico do acordo

Em leitura:

Irão: O impacto económico do acordo

Tamanho do texto Aa Aa

Durante seis meses a economia iraniana poderá respirar um pouco. A suavização das sanções significa, segundo os Estados Unidos, um alívio económico de 7 mil milhões de dólares.

O Irão vive sob sanções há vários anos. Um dos primeiros impactos do acordo sentiu-se ao nível do câmbio. O rial, a moeda iraniana, subiu 3% face ao dólar, logo após a notícia.

O porta-voz do governo iraniano, Mohammad Baqer Nowbakht, explica que “algumas das sanções serão aliviadas e alguns recursos financeiros serão usados a nível interno. Haverá com certeza um impacto positivo na economia iraniana.” E acrescenta: “Isso não significa que vamos converter todos os recursos financeiros em divisa iraniana, mas temos de ser cuidadosos na forma como usamos os recursos para tentar otimizar a utilização”.

A economia iraniana vive uma grave crise. Desde 2010, com o reforço das sanções, Teerão terá perdido 89 mil milhões de euros de receitas. Em outubro, as exportações de crude recuaram 45% para 715 mil barris diários. A economia deverá contrair este ano 1,5%, enquanto a inflação é de 41,6%.

Os iranianos têm dificuldades de acessos a bens essenciais, a começar pelos medicamentos que são extremamente caros.

Os comerciantes esperam agora uma retoma da atividade económica, sobretudo, os negociantes de ouro, graças ao alívio das sanções sobre os metais preciosos.

Nahid Habibi, habitante de Teerão, defende: “As pessoas estão mais motivadas para comprar ouro. Há uma maior confiança entre os proprietários das lojas. Pessoalmente, sinto que é pouco provável que perca dinheiro se comprar. É certo que as negociações nucleares entre o Irão e os Estados Unidos tiveram um efeito positivo no mercado do ouro”.

A Turquia já afirmou que poderá aumentar as importações de petróleo do Irão.

O crude representa 80% das exportações iranianas, mas devido ao embargo, Teerão foi forçada a cortar a produção diária para 2,58 milhões de barris diários, ou seja, o nível de 1989.

Segundo os analistas, o país não poderá aumentar as vendas de petróleo de forma significativa, pois este é um acordo temporário.