Última hora

Última hora

Sensor biométrico em vez de palavra passe

Em leitura:

Sensor biométrico em vez de palavra passe

Tamanho do texto Aa Aa

Um quotidiano sem códigos nem palavras passe. Basta mostrar o dedo e a máquina controla a identidade do visitante.

As tecnologias biométricas começam a fazer parte do dia-a-dia.

Stephen Elliot é diretor do centro internacional para investigação em biometria na Universidade de Purdue, no Estado norte-americano do Indiana.

Os investigadores testam atualmente sistemas de identificação para computadores pessoais baseados nas impressões digitais e na íris.

“Posso usar o sistema para me registar no PC. Não é preciso mudar a palavra-passe a cada 30, 60 ou 90 dias. É uma revolução na área da gestão da identificação”, garante Stephen Elliot.

O grande desafio para os investigadores é conseguir melhorar a fiabilidade e a segurança dos dispositivos.

No caso da íris, os testes mostram que há um por cento de falsas rejeições, situações em que o sistema não reconhece a pessoa.

Quando a percentagem de erros for diminuta, a tecnologia pode ser usada em várias áreas.

“A tecnologia vai começar a ser usada para o embarque nos aeroportos mas também em produtos de consumo como os telefones, por exemplo, o iphone e o smartphone da HTC têm sensores biométricos baseados nas impressões digitais. Além da proteção da vida privada, o sistema pode ajudar a evitar transações financeiras fraudulentas. É uma das áreas de aplicação da biometria”, referiu o responsável.

Por enquanto, a tecnologia ainda não é perfeita. Por exemplo, o sensor biométrico do novo iphone 5S foi desbloqueado por um hacker recorrendo a uma impressão digital impressa. Ainda não é desta que o ritual das palavras-passe chega ao fim…