Última hora

Última hora

Feira Internacional de Arte de Abu Dhabi

Em leitura:

Feira Internacional de Arte de Abu Dhabi

Tamanho do texto Aa Aa

A quinta edição da Feira Internacional de Arte de Abu Dhabi decorreu entre os passados dias 20 e 23.

Este ano, cerca de 50 galerias, de todo o mundo, estiveram representadas, a grande maioria europeias, mas também dos Estados Unidos, Médio Oriente e Norte de África.

Para Tairone Bastien, responsável pela programação do certame os motivos são óbvios:

“Temos uma taxa de retorno de 90 por cento, por isso há uma grande quantidade de galerias que voltam à feira e há muitas de topo. Temos a Hauser & Wirth, a Gagosian, Tadeu Ropac. As galerias estão, realmente, a apresentar o seu melhor trabalho e a mostrar tanto os artistas renomados como outros contemporâneos.”

Entre as obras vendidas está a pintura “Maio-Setembro” do falecido pintor franco-chinês Zao Wou-Ki, o artista que pintou o mural de azulejo da estação de metro da Gare do Oriente, em Lisboa.

O evento incluiu palestras, conversas, também sobre a arte francesa da padaria, ateliers, entrevistas, performances, polvilhadas com poesia, arte, conversas e sensações num evento único onde as obras de arte são o ponto central.

Para Alain Quemin, jornalista do “Journal des Arts” as apostas feitas ditam o sucesso:

“Todos os anos, aquilo que nos mostram aqui é de grande qualidade. Não trazem obras de arte com menos mérito. Tentam promover as melhores obras, dos melhores artistas. Levam muito a sério este mercado.”

Em 2015, durante a edição deste certame, será inaugurado, segundo o ministro da Cultura francês, o Louvre Abu Dhabi. Cerca de 300 obras de museus franceses podem passar a brilhar num novo destino.