Última hora

Última hora

Ucrânia: Oposição quer eleições já e vai convocar greve geral

Em leitura:

Ucrânia: Oposição quer eleições já e vai convocar greve geral

Tamanho do texto Aa Aa

A oposição ucraniana não desarma, mantém-se nas ruas de Kiev e vai convocar uma greve geral para exigir a demissão do presidente e a convocação de eleições. A repressão violenta da manifestação dos pró-europeus, na madrugada de sábado, foi unanimemente condenada.

Os ânimos estiveram bastante mais calmos durante um dia marcado por um comício com mais apelos à mobilização no qual participaram a filha da encarcerada ex primeira-ministra, Iulia Timoshenko, e diversos líderes da oposição, como o antigo pugilista Vitali Klischko.

O sentimento é de revolta, depois de Viktor Ianukovitch ter voltado costas ao acordo de associação com a União Europeia.

“O que vai ser dos nossos filhos?” Interrogava-se um manifestante que acusa o governo de estar “a matar o futuro” dos jovens. Outra afirmou que “as pessoas deviam declarar um boicote. Especialmente aquelas que servem o Presidente, o governo e todas as agências de segurança. Se fizessem greve talvez alguma coisa mudasse”, concluiu.

A oposição vê a aproximação de Kiev a Moscovo como um regresso ao passado soviético, mas afundada em dívidas e dependente do gás russo, a Ucrânia não tem grandes condições para fazer frente ao Kremlin.

O presidente ucraniano disse ter ficado “profundamente revoltado” com a violência. Ianukovitch não colocou em causa as forças de segurança mas abriu um inquérito aos incidentes que foram condenados em uníssono pelo Ocidente.

Milhares de pró-europeus voltam a concentrar-se este domingo, no centro de Kiev, em nova manifestantes para exigir a demissão do governo e do presidente.