Última hora

Última hora

Franceses rejeitam tese de envenenamento de Arafat com polónio

Em leitura:

Franceses rejeitam tese de envenenamento de Arafat com polónio

Tamanho do texto Aa Aa

Um resultado contraditório. As investigações forenses francesas para determinar as causas da morte de Yasser Arafat concluíram que o antigo líder palestiniano não morreu envenenado com o radioativo Polónio. Uma conclusão que desmente o estudo suíço, que sugere a morte por envenenamento, e descredibiliza a tese de que Arafat foi assassinado.

A mulher de Arafat diz-se perturbada mas não baixa os braços. “Como podem imaginar estou muito perturbada pelas contradições, no que diz respeito aos melhores peritos europeus na matéria. O meu advogado vai então solicitar que o estudo suíço seja incluído no processo francês para uma análise cruzada dos dois relatórios”, afirmou Suha Afarat.

Dirigentes palestinianos desvalorizaram o relatório considerando que o estudo francês está politizado. Recorde-se que Israel é acusado por muitos palestinianos de ter sido o autor da morte de Arafat. O estudo francês dá agora menos força a essa tese.

Os Israelitas sempre negaram qualquer envolvimento num alegado assassinato.

Apesar do resultado dos peritos franceses, o processo legal em França, deverá continuar já que a viúva de Arafat vai juntar o relatório suíço. O antigo líder palestiniano adoeceu subitamente após uma refeição em 2004. Morreu um mês depois num hospital francês.