Última hora

Última hora

George Bizos lembra episódios do amigo Mandela

Em leitura:

George Bizos lembra episódios do amigo Mandela

Tamanho do texto Aa Aa

Connosco, desde Johannesburgo, George Bizos, amigo pessoal de Nelson Mandela e um dos seus principais defensores durante a época do Apartheid.

Na África do Sul diz-se que Mandela é o pai da nação, e você, o pai espiritual.

Senhor Bizos, obrigado por estar connosco.

George Bizos:“Obrigado eu, pela oportunidade de me dirigir aos telespetadores gregos e de outros países do mundo.”

Giannis Giagkinis, euronews: “Como descreveria Mandela em poucas palavras?”

George Bizos: “É o homem que sacrificou a vida pelo bem do povo sul-africano, pela população africana e pelo do resto do mundo”.

euronews: “Que momento destacaria da vossa amizade?”

George Bizo: “O facto de que não quisesse permanecer na presidência durante mais de um mandato. Queria dar exemplo aos políticos sul-africanos e provavelmente aos políticos de toda África, onde normalmente, os presidentes se alapam ao poder durante toda a vida. Ainda que digam crer na democracia, na realidade depois convertem-se em ditadores.”

euronews: “Como conheceu Mandela?”

George Bizos: “Conheci Mandela na Universidade em 1948. Era mais velho do que eu, por isso se converteu em advogado um pouco antes.
Em 1954, um juiz perguntou-lhe, ‘você quem é?’ e ele respondeu: ‘Sou Nelson Mandela, e sou advogado’. O juiz pediu-lhe papéis que certificassem que efetivamente era advogado. Ele respondeu que não os tinha nesse momento, normal porque ninguém os costuma levar consigo. Mas apesar de toda gente saber que Mandela era advogado, o juiz disse: ‘Vá-se embora, não tem o direito a falar neste tribunal’. Então atribuíram-me o caso, ganhamos e desde então ficámos muito amigos.”

euronews: “Você visitou em muitas ocasiões Mandela na ilha de Roubem, onde passou 18 dos 28 anos a que foi condenado. O que recorda desse período?”

George Bizos: “Era uma pessoa otimista, confiava em que num dia os sul-africanos conquistariam a liberdade, a democracia e a igualdade.
Quando fui pela primeira vez à ilha, veio com oito carcereiros. Vinha no meio desses oito homens e eu fui abraçá-lo. Perguntou-me pela família e de repente, disse-me: ‘George, não estou preso há muito tempo mas perdi os meus modos e tornei-me cruel.. Esqueci-me de te presentar a minha guarda real: e apresentou-me os carceleros’.”

euronews: “Desde que se retirou do poder, evitou pronunciar-se sobre assuntos políticos, com excepção da luta contra a SIDA…Porquê?”

George Bizos: “Porque era uma doença secreta. Não admitiam a sua existência. O filho mais velho morreu com SIDA e a família não queria que se soubesse. Mandela fez questão de divulgar e culpou o ex-presidente Mbeki de não ter feito o suficiente para lutar contra o problema do SIDA, que é um problema extremamente sério na África do Sul.”

euronews: “Senhor Bizos, obrigado.”