Última hora

Última hora

O espírito de Mandela fez eco em Soccer City

Em leitura:

O espírito de Mandela fez eco em Soccer City

Tamanho do texto Aa Aa

A jornalista Laurence Alexandrowich falou em duplex, desde Lyon, em França, com François Chignac, o nosso enviado especial à África do Sul, que está no estádio Soccer City, em Joanesburgo.

O presidente Barack Obama falou de Nelson Mandela como um “gigante da história”, mas também criticou os dirigentes que, por um lado, honram “Mandela-o-homem-de-paz” e, por outro, oprimem os respetivos povos. O espírito de Mandela fez eco, hoje, junto dos chefes de Estado?

François Chignac, euronews: Fez e continua a fazer. E como recordou, na sua intervenção, Ban Ki-Moon, o secretário-geral da ONU, mesmo na morte, Mandela consegue unir os líderes políticos. Mais de 90 líderes mundiais estão aqui. Vimos Barack Obama apertar a mão a Raul Castro, vimos Barack Obama ao lado de George W. Bush, vimos François Hollande ao lado de Nicolas Sarkozy, os japoneses ao lado dos chineses, os iranianos ao lado dos árabes e dos turcos… Todos estes líderes vieram aqui prestar uma última homenagem a Nelson Mandela.

Laurence Alexandrowich, euronews: Houve outros momentos fortes, nesta cerimónia? A certa altura, ouvimos assobios…

François Chignac, euronews: Foi a intervenção do presidente sul-africano, Jacob Zuma, eleito em 2009. Quando começou a falar, ouviu-se assobios em todo o estádio. Não pôde falar ao início e isso acaba por ser um inquietante auguro para o futuro da África do Sul, que vai a eleições no próximo ano. O ANC, o partido de Jacob Zuma, é muito criticado e a intervenção do presidente foi terrivelmente assobiada no estádio Soccer City.

Laurence Alexandrowich, euronews: Obrigada, François. Recordo que esta cerimónia, em Joanesburgo, coincide com a entrega, em Oslo, do prémio Nobel da Paz 2013, exatamente 20 anos depois daquele entregue conjuntamente a Nelson Mandela e Frederik de Klerk.