Última hora

Última hora

Conflitos armados no Sudão do Sul

Em leitura:

Conflitos armados no Sudão do Sul

Tamanho do texto Aa Aa

No seguimento de conflitos armados verificados esta segunda-feira na capital do Sudão do Sul, Juba, o chefe de Estado, Salva Kiir, denunciou uma tentativa de golpe de Estado e decretou o recolher obrigatório na cidade.

Nas imediações de dois quartéis militares em Juba, foram esta madrugada registadas explosões e tiroteio intenso. Salva Kiir acusa um grupo de soldados fiéis ao seu rival político e ex-vice-presidente, Riek Machar, afastado em julho, de responsabilidade pelos incendentes.

O chefe de Estado ordenou o recolher obrigatório em Juba, frisando que quer assim “garantir a segurança dos nossos cidadãos” e prometendo que “a justiça vai prevalecer”.

Desde que o chefe de Estado demitiu o Governo e o seu vice-presidente, instalou-se a luta pelo poder entre Kiir e Machar, que se reflete num aumento de tensão no país. O facto de os dois rivais serem de grupos étnicos diferentes, agrava a situação. Os Nuer, aos quais pertence Riek Machar, queixam-se do domínio que lhes é imposto pela etnia Dinka, do presidente Salva Kiir.

A representante das Nações Unidas no Sudão do Sul, Hilde Johnson, apelou às partes em conflito para que cessem as hostilidades imediatamente, afirmando estar em contato com os principais líderes.

O Sudão do Sul é o mais novo país do mundo. Em 2011 tornou-se independente do Sudão, após um referendo que aprovou a separação.