Última hora

Última hora

UE pronta a levantar sanções ao Irão

Em leitura:

UE pronta a levantar sanções ao Irão

Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia está pronta a levantar as sanções ao Irão, se o país respeitar os termos do acordo que foi assinado com entre o país, a UE e os Estados Unidos, a respeito da energia nuclear.

A chefe da delegação do Parlamento Europeu, Tarja Cronberg, esteve com o ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohammad Javad Zarif.

Se a Europa está pronta a levantar as sanções, esse parece não ser ainda o caso dos Estados Unidos. O enviado especial da euronews ao Irão, Olaf Bruns, falou com o chefe da diplomacia de Teerão.

Mohammad Javad Zarif: “A atitude dos Estados Unidos mostra uma falta de compreensão em relação ao procedimento que deve ser seguido para resolver a questão nuclear. Há quem pense que a pressão produz resultados. Isso é errado. A pressão produziu 18.000 centrifugadoras no Irão. Se querem continuar nessa via, são livres de o fazer, mas isso não produz resultados. Agora, que a comunidade internacional, os Estados Unidos e os restantes membros do grupo 5+1, juntamente com o Irão, decidiram seguir em frente para resolver esta questão, as pessoas têm que abandonar as políticas que falharam e adotar políticas novas.
Estas atividades só fazem descarrilar o processo, mas penso que há boa vontade por parte de todos para que ele continue. O Irão vai reagir a tudo o que possamos considerar inaceitável ou que não conduza a uma resolução”.

euronews: Disse à revista “Time” que, se os Estados Unidos decidirem impor novas sanções, o acordo morreu. Mudou de ideias?

Mohammad Javad Zarif: “Não, não mudei. Se o Congresso dos Estados Unidos adotar novas sanções, ou obrigar a administração americana a aplicar essas sanções, eu vou dizer que não há acordo, porque ele foi violado.
Acredito que as últimas ações do departamento americano do Tesouro são contraproducentes, mas isso não significa uma violação do acordo.
Significa que põem em questão a intenção de resolver este problema através da via das negociações e isso é um passo atrás. Mas não significa que queiram matar o processo”.