Última hora

Última hora

A versão cipriota de "O capote" de Gógol

Em leitura:

A versão cipriota de "O capote" de Gógol

Tamanho do texto Aa Aa

A crise financeira e os conflitos políticos são os ingredientes da peça “O Capote”, em cena em Nicósia.

O espetáculo baseado na novela do escritor russo Nikolai Gógol foi apresentado pela companhia cipriota Paravan, no âmbito do Festival Pop 2013.

“A performance teve lugar num antigo café que se encontra neste momento encerrado. Contamos duas histórias, a do Capote” de Nikolai Gógol e a dos acontecimentios em Nicósia após a recente crise financeira. Contamos o que se passou no café e a experiência das pessoas durante esses tempos difíceis”, explicou Melita Couta, diretora artística da companhia.

A companhia cipriota Mitos apresentou «H4what».

O espetáculo de Lukasz Walewski evoca o mundo dos sonhos dos pesadelos e da memória.

A peça foi criada no âmbito de um projeto europeu chamado “Canções para os meus vizinhos”.

“Este projeto europeu coloca a seguinte questão: Se eu cantar as canções do meu vizinho que vive no meu país estando eu em conflito com ele será que isso pode mudar a nossa relação? Como vizinho escolhemos os cipriotas turcos. Além da questão relativa às duas comunidades, falamos dos fantasmas e da propaganda com que a nossa geração cresceu. Queremos ver claramente quem são os nossos vizinhos, quem são os cipriotas turcos”, afirmou Elena Agathokleous, diretora artística da Mitos.

«Humans Being» é a última obra da companhia Pelma.

A coreografia de Lia Haraki pretende mostrar que todos os seres humanos são feitos da mesma matéria, da mesma carne e dos mesmo ossos, todos fazem parte da mesma raça.

“A peça ‘Humans Being’ não têm a ver apenas com a sociedade ocidental, tem a ver com todos os seres humanos e fala de características físicas básicas. A respiração é o elemento central. É uma viagem através da dança que se baseia em elementos simples. o espetáculo mostra como pode ser difícil respirar e como é possível interligar os corpos uns com os outros”, contou a coreógrafa Lia Haraki.

A companhia de dança cipriota Pelma celebra em 2013 o décimo aniversário, com apresentações em Chipre e em vários países europeus.