Última hora

Última hora

Novo ministro alemão critica Rússia e... União Europeia

Em leitura:

Novo ministro alemão critica Rússia e... União Europeia

Tamanho do texto Aa Aa

Em dia de tomada de posse do novo executivo, caiu mal na Alemanha a notícia do acordo assinado esta mesma terça-feira entre a Ucrânia e a Rússia. O recém-empossado ministro dos Negócios Estrangeiros, Frank-Walter Steinmeier, mostrou-se muito duro face ao executivo liderado pelo presidente russo Vladimir Putin, criticou a reação das forças de segurança da Ucrânia contra as manifestações pró União Europeia e apontou o dedo também a alegada passividade de Bruxelas na negociação em curso com Kiev para uma associação comercial.

“É de facto revoltante a forma como os políticos russos aproveitaram a aflição económica da Ucrânia para, em próprio benefício, impedir a associação comercial com a União Europeia. Como revoltante foi também – como todos podemos concordar – a reação das forças de segurança ucranianas contra os manifestantes”, afirmou Steinmeier, um afiliado do Partido Social-Democrata alemão que esta de regresso ao mesmo ministério dos Negócios Estrangeiros que já havia liderado entre 2005 e 2009, no primeiro mandato de Angela Merkel.

Depois dos “tiros” no acordo assinado entre Vladimir Putin e o presidente ucraniano Viktor Yanukovich e na reação às manifestaçoes pro-europeias, Frank-Walter Steinmeier criticou também a alegada passividade de Bruxelas na negociação da associação comercial com o governo de Kiev. Para o novo ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, a União Europeia não terá dado a devida importância à posição económica delicada em que a Ucrânia se encontra.

“A única coisa de que tenho a certeza é que nos apresentámos uma pacote de económico e financeiro que se revelou demasiado curto face ao que seria necessário para manter a Ucrânia competitiva e vincula-la à Europa”, acrescentou Steinmeier, que esta quarta-feira deverá viajar com a Chanceler Angela Merkel para Paris e na quinta-feira deverá rumar à Polónia, onde, tudo indica, o ministro irá retomar o tema Ucrânia.