Última hora

Última hora

A face da crise que está a deixar os gregos nas trevas

Em leitura:

A face da crise que está a deixar os gregos nas trevas

Tamanho do texto Aa Aa

“Quando é que vamos ter luz outra vez, mãe?”, perguntam os filhos do casal Kouzilos. Mas não é uma pergunta exclusiva. Cada vez mais e mais crianças gregas interrogam os pais, sem perceberem porque de repente deixaram de ter luz e à noite estão obrigados a recorrer a velas. Foi o que descobriu Michalis Arampatzoglou, o correspondente da euronews em Atenas.

A crise grega não dá tréguas e as pessoas em dificuldade no país são cada vez mais. A família Kouzilos é um mero exemplo. Giorgos e Evgenia estão desempregados há dois anos, têm três filhos de 8, 11 e 17 anos. Há dois anos que estão sem eletricidade e a dívida à companhia elétrica grega já ascende aos 1300 euros.

“A situação é realmente difícil para a minha mulher e, sobretudo, para os meus filhos. Temos de aproveitar enquanto há luz do dia para tentarmos cumprir todas as nossas tarefas, como por exemplo ajudar nos trabalhos de casa dos miúdos”, explica-nos Giorgos Kouzilos.

Evgenia, a mãe, assume as dificuldades que encontra no dia-a-dia da família: “Tenho de cozinhar com um fogão a gás de campismo. Como não podemos ter frigorifico e há produtos que têm de estar no fresco, colocamo-los na varanda e aproveitamos que agora no inverno o tempo é mais fresco.”

O governo de Atenas está a estudar a possibilidade de poder vir a restituir a eletricidade às famílias em necessidade. Mas o projeto está a encontrar muitos obstáculos para ser concretizado.

Em Keratsini, entretanto, um subúrbio da capital grega, o senhor Pantelis, também com três filhos para criar, teve mais sorte que os Kouzilos e já tem luz. Um grupo de ativistas anda pela zona a fazer puxadas ilegais.

“Eu gostava de agradecer a estes ativistas porque foram eles que voltaram a ligar a eletricidade na minha casa. Agora já posso cuidar dos meus filhos. Eles podem fazer os trabalhos de casa e tomar banho”, afirma o senhor Pantelis, de 55 anos.

Para este grupo de ativistas “piratas”, a eletricidade é um bem público e todos devem ter acesso a ela. São cidadãos comuns com conhecimentos de eletricidade que se organizam e pirateiam a rede elétrica grega para devolver a luz a quem deixou de ter condições para a pagar. Mais de 4 mil casas que haviam ficado às “escuras” já voltaram a ter luz graças a este grupo.

O nosso correspondente em Atenas apurou junto do operador helénico de distribuição de rede que “até ao final deste ano já terão sido cortadas na Grécia cerca de 350 mil ligações elétricas”. “Destas, contudo, 40 por cento já voltaram a ser ligadas de forma ilegal ou mantêm-se desligadas”, concretiza Michalis Arampatzoglou, interpretando os dados do operador das casas “desligadas” que não voltaram a ter uma ligação legal.