Última hora

Última hora

Das favelas sul-africanas para o mundo da ópera

Em leitura:

Das favelas sul-africanas para o mundo da ópera

Tamanho do texto Aa Aa

A soprano Pumeza Matshikiza cresceu nas favelas da cidade do Cabo, na África do Sul. Hoje, ela canta na Ópera de Estugarda na Alemanha e prepara o primeiro álbum nos famosos estúdios Abey Road em Londres. Uma vida cheia de reviravoltas que serve de tema ao disco de estreia.

“O disco é uma reflexão sobre a minha viagem pessoal, das favelas da Cidade do Cabo para o mundo da ópera na Europa. Eu e o produtor tínhamos decidido incluir no álbum algumas canções africanas e algumas árias. Mas como sou sul-africana e fui muito influenciada pela música sul-africana acabei por incluir mais canções, especialmente porque é um projeto novo e estávamos a testar novos arranjos com a Orquestra Aurora”, contou a cantora.

A soprano sul-africana frequentou a escola nos últimos anos do Apartheid.

“Quando era jovem sabia que o ambiente em que vivíamos era totalmente louco. Como criança não me sentia em segurança, achava que me faltava algo, havia algo que eu não estava a viver. Frequentei a escola aqui, a Homba Public Primary School onde os professores eram apaixonados por música, claro que as condições de ensino eram más mas conseguimos prosseguir os estudos”, disse Pumeza Matshikiza.

“O álbum integra canções que eram cantadas durante o apartheid e temas inspirados pela época do apartheid como esta canção, que significa ‘eles estão na prisão’. Há ainda uma canção de embalar chamada ‘Tool Ababa’. O trabalho musical da orquestra foi maravilhoso e fresco”, acrescentou a artista de 34 anos.

O disco deverá ser lançado na próxima primavera.