Última hora

Última hora

Sudão do Sul: 500 mortos e 16.000 refugiados em três dias de combates

Em leitura:

Sudão do Sul: 500 mortos e 16.000 refugiados em três dias de combates

Tamanho do texto Aa Aa

A ONU diz que pelo menos 500 pessoas perderam a vida e outras oitocentas ficaram feridas nos últimos três dias de combates no Sudão do Sul, na sequência da tentativa falhada de golpe de Estado.

O governo de Juba anunciou ter detido dez importantes figuras políticas e ordenado a captura do ex-vice-presidente Riek Machar, acusado de liderar a ação contra o poder.

Apesar das informações avançadas pelas Nações Unidas, com base em fontes hospitalares, o ministro da Defesa do Sudão do Sul disse que “a tranquilidade regressou à capital e o Exército tem a situação sob controlo”.

Numa das bases da ONU em Juba, o ministro da Informação também afirmou que “já não há combates”, acrescentando que “agora, devem voltar todos para casa”.

Mas, receosas e desconfiadas das informações avançadas, cerca de 16.000 pessoas procuraram refúgio nos últimos dias nos complexos das Nações Unidas. Um número que, segundo a ONU, continua a aumentar.