Última hora

Última hora

Caça ao Cometa

Em leitura:

Caça ao Cometa

Tamanho do texto Aa Aa

Há séculos que os astrónomos perseguem cometas nos céus, à procura de pistas sobre as origens do nosso sistema solar. Distantes e brilhantes, os cometas oferecem uma vista encantadora. Vindos do espaço profundo pela mão da gravidade do Sol, perdem poeira e gás à medida que aquecem, revelando alguns segredos.

Os cometas podem dizer-nos algo mais profundo sobre nós próprios segundo o cientista da ESA Gerhard Schwehm: “Os cometas são interessantes por uma série de razões. A mais fascinante é se desempenharam um papel no surgimento da vida na Terra.”

O objetivo dos cientistas é vislumbrar as brasas do cometa ISON. O ISON pareceu desintegrar-se enquanto voava à volta do Sol no final de novembro, mas talvez ainda permaneçam partes do seu núcleo. A única maneira de descobrir é observando.

O Centro de Operações Espaciais Europeu abriga a mais ambiciosa missão de caça aos cometas do mundo, conhecida como Rosetta. Em 2014 uma sonda da ESA vai fazer algo extraordinário: vai apanhar um cometa, voar ao lado dele e colocar uma sonda na sua superfície.

Para Nicolas Thomas, Professor de Física Experimental na Universidade de Berna: “Os cometas são pensados ​​para serem uma espécie de relíquias da formação do sistema solar. O que vemos é algo que tem sido armazenado no congelador para nós, à espera que os observemos há 4,5 biliões de anos.” As observações terrestres fornecem grandes pormenores, mas o maior avanço na ciência dos cometas veio com as missões espaciais. Um dos grandes marcos foi em 1986, quando a missão Giotto da ESA enviou fotos em pormenor de cometa Halley. Imagens de um núcleo escuro com biliões de anos. Em 2006, a missão Stardust da NASA voou direita à cauda de um cometa e trouxe uma amostra de pó para a Terra.

O Rosetta pode ajudar a resolver muitos enigmas, não só sobre as origens da vida, mas também sobre se a água na Terra foi trazida por cometas. Parece que uma nova caça ao cometa já está em andamento.