Última hora

Última hora

Crise na Ucrânia "não é uma falha da UE", diz Dalia Grybauskaite

Em leitura:

Crise na Ucrânia "não é uma falha da UE", diz Dalia Grybauskaite

Tamanho do texto Aa Aa

A 31 de Dezembro termina a presidência rotativa da União Europeia (UE) a cargo da Lituânia. A euronews convidou a Presidente, Dalia Grybauskaite, para um balanço do semestre.

Fariba Mavvadat/euronews (FM/euronews): “O fracasso da UE em relação à assinatura de um acordo com a Ucrânia é descrito como o pior golpe na história da UE. Qual foi o problema?”

Dalia Grybauskaite/Presidente Lituânia (DG/Presidente Lituânia): “Não é uma falha da União Europeia, é uma falha da Ucrânia… e nem sequer da Ucrânia. Foi da liderança ucraniana, que não assinou o acordo. Pelo contrário, penso que cimeira de Vilnius mostrou muito claramente que a liderança ucraniana não está nem politicamente nem pessoalmente decidida a fazer tudo no sentido do processo de integração europeia. Na prática, a liderança tornou a Ucrânia refém dos seus próprios interesses pessoais. Agora vemos um novo despertar do povo ucraniano”.

FM/euronews: “Há quem diga que não fizeram o suficiente para que valesse a pena à Ucrânia cortar o cordão umbilical com a Rússia, que não ofereceram o suficiente”.

DG/Presidente Lituânia: “A Europa não compra nem oferece. A Europa tenta ajudar os países a tomarem livremente as suas decisões, sem pressão e por conta própria. Mas a liderança ucraniana de hoje não é capaz de tomar essa decisão. Já os cidadãos ucranianos tomam, a cada dia, essa decisão”.

FM/euronews: “Está a chegar ao fim a presidência rotativa da Lituânia. Como se sente?”

DG/Presidente Lituânia: “É uma sensação muito boa! (risos) Posso fazer uma piada e dizer que nos preparámos imenso, durante dois anos, mas como estamos em temporada pré-eleitoral houve imenso trabalho que foi praticamente empurrado para nós de modo a que não ficasse pendurado para o próximo semestre. Todos vão estar bastante ocupados com as eleições! Mas é claro que é um alívio reconhecer aquilo que conseguimos. Não foi assim tão mau, alguns diriam mesmo que foi muito bom, mas não cabe a mim dizê-lo! Faltam só duas semanas e depois passamos à presidência grega”.