Última hora

Última hora

Rússia: Khodorkovsky deixa prisão e viaja para a Alemanha

Em leitura:

Rússia: Khodorkovsky deixa prisão e viaja para a Alemanha

Tamanho do texto Aa Aa

Mikhail Khodorkovsky, o antigo empresário petrolífero, que estava detido na Rússia há 10 anos por fraude, desfalque e lavagem de dinheiro, recebeu na quinta-feira o perdão do governo russo, foi libertado esta sexta-feira da prisão de Segezha e terá viajado de pronto para a Alemanha. O antigo homem mais rico da Rússia e conhecido opositor de Putin, que sempre se assumiu preso por motivos políticos, foi incluído nos abrangidos pela nova lei da amnistia aprovada pelo Kremlin por alegados motivos humanitários.

Khodorkovsky tem a mãe, de 80 anos, gravemente doente e o presidente russo terá tido isso em conta para lhe estender o perdão, que havia sido decidido esta semana pela Duma, o parlamento russo, para os detidos por “hooliganismo” e para os presos com condições especiais como mães com filhos pequenos e maiores de 65 anos condenados por crimes de pequena gravidade.

Estrela nas capas dos jornais russos desta sexta-feira, o antigo presidente da empresa petrolífera Iukos terá, entretanto, viajado para a Alemanha, onde a mãe tem efetuado alguns tratamentos e onde o novo ministro dos Negócios Estrangeiros do executivo da chanceler Angela Merkel se mostrou agradado.

“Nenhum de nós pode julgar. O oportunismo é óbvio, mas não quero minimizar o sucedido. O facto é que as pessoas estarem agora a ser libertadas é um bom sinal. Devemos utilizar isto para aprofundar as conversas com a Rússia sobre o futuro dos processos judiciais e a proteção dos direitos humanos”, afirmou Frank-Walter Steinmeier, deixando subentendido que o “oportunismo” do Kremlin é a melhoria da imagem do país em vésperas dos Jogos Olímpicos de inverno, que arrancam em Sochi a 7 de fevereiro.

O pai de Mikhail Khodorkovsky, numa entrevista telefónica já nesta sexta-feira a uma jornalista russa, limitou-se a confirmar a saída da prisão. “A última noticia que recebemos foi a da libertação. Ele esta livre”, disse Boris, que, quando confrontado se já havia sido contactado pelo filho, disse: “Vamos ficar à espera. Não sabemos nada.”