Última hora

Última hora

Khodorkovsky depois da prisão a liberdade em Berlim

Em leitura:

Khodorkovsky depois da prisão a liberdade em Berlim

Tamanho do texto Aa Aa

Dez anos depois do seu encarceramento Mihkail Khodorkovsky está já em Berlim. Uma viagem organizada pelo antigo ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Dietrich Genscher.

O antigo magnata do petróleo, outrora um dos homens mais ricos da Rússia, foi libertado depois de Vladimir Putin conceder-lhe um indulto. Uma decisão que apanhou todos de surpresa, como explica Lyudmila Alexeyeva, conhecida ativista russa dos direitos humanos:

“Muita gente pensou que nunca haveria paz entre estes dois homens. Este ato, inesperado, de perdão é, naturalmente, uma grande alegria.”

Para muitos este volte-face é visto como uma tentativa da Rússia melhorar a sua imagem internacional antes dos Jogos Olímpicos de inverno de 2014. A Presidente da Lituânia, Dalia Grybauskayte, é uma das pessoas que defende esta teoria:

“Foi possível libertá-lo mais cedo porque é simples fazê-lo. Não há necessidade de tribunal ou Estado de Direito. É o Presidente do país que decide, não o tribunal, o sistema judicial. Mas, provavelmente, há outra questão aqui: os Jogos Olímpicos de Sochi. Havia uma série de reações hostis, em relação à Rússia, sobre a situação dos direitos humanos, que levaram alguns países a reduzirem o seu nível de participação, a sua participação política.’‘

Khodorkovsky já assumiu ter feito o pedido de perdão, por motivos familiares mas, ao contrário do que se especulou, não fez qualquer admissão de culpa.