Última hora

Última hora

Ucrânia: Natal manchado de sangue com agressão brutal a uma jornalista

Em leitura:

Ucrânia: Natal manchado de sangue com agressão brutal a uma jornalista

Tamanho do texto Aa Aa

Foi agredida brutalmente e deixada para morrer nos arredores de Kiev, uma jornalista ucraniana, militante contra o regime de Ianukovich.

Tatiana Chornovil tem investigado as fortunas pessoais dos principais rostos do poder e ganhou protagonismo com trabalhos sobre a corrupção nas altas esferas do Estado. “Carrasco”, grafitou há poucos dias na porta do ministro do Interior, durante a reportagem que está a preparar.

O ataque à jornalista de 34 anos parece saído de um filme. O carro de Chornovil foi abalroado e bloqueado por outro, do qual saíram dois homens ainda não identificados, que a deixaram com uma fratura no nariz, uma concussão e vários hematomas.

Um amigo afirma que a jornalista “ainda tentou fugir” mas foi apanhada. “O que aconteceu a seguir, Tatiana não é capaz de recordar porque perdeu a consciência e só acordou no hospital”, referiu.

A viatura dos agressores já terá sido identificada. Segundo a imprensa ucraniana, pertence a um membro do Partido das Regiões de Ianukovich.

“O ataque demonstra a fraqueza do governo. Quando esgotam os argumentos, partem para a violência”, acusou um dos muitos manifestantes que se concentraram à porta do ministério do Interior para condenar a agressão.

Chornovil considera que o ataque de que foi vítima está relacionado com o seu trabalho, em particular com a investigação sobre as casas do Procurador-Geral, Victor Pshonka, e do ministro do Interior, Vitali Zajarchenko.

Só esta semana, registaram-se três ataques ataques violentos contra militantes da oposição.