Última hora

Última hora

República Centro-Africana à beira de uma guerra religiosa

Em leitura:

República Centro-Africana à beira de uma guerra religiosa

República Centro-Africana à beira de uma guerra religiosa
Tamanho do texto Aa Aa

Vivia-se uma calma precária esta quinta-feira na República Centro-Africana depois da operação de pacificação lançada pelas tropas francesas.

Num caótico dia de Natal, seis soldados do Chade foram mortos na capital em confrontos com milícias cristãs.

O arcebispo e o imã de Bangui apelaram ao envio “urgente” de ‘capacetes azuis’ para o terreno.

Por detrás do conflito religioso, esconde-se uma luta pelo controlo dos recursos naturais do país, rico em diamantes, ouro, madeira, urânio e, em menor escala, petróleo.

A população é a grande vítima dos combates que deixaram várias povoações desertas. Cristãos e muçulmanos fazem relatos atrozes da violência a que estão sujeitos.

Apoiados por guerrilheiros do Chade e do Sudão, os rebeldes Séléka tomaram o poder em março, depois do presidente chadiano ter retirado o apoio a François Bozizé.

A República Centro-Africana já foi palco de cinco golpes de Estado desde a independência em 1960. O transbordar dos conflitos nos vizinhos Chade, Sudão e República Democrática do Congo, arrasaram com o Estado de Direito na República Centro-Africana.

Extorsões e agressões tornaram-se parte da rotina diária num país que está à beira de uma guerra religiosa.

Para que não se repita um genocídio como o do Ruanda, em 1994, Marrocos vai enviar centenas de soldados e material militar para a República Centro-Africana, respondendo assim ao apelo das Nações Unidas.