Última hora

Última hora

Putin coloca Rússia em alerta e quer aniquilar terrorismo

Em leitura:

Putin coloca Rússia em alerta e quer aniquilar terrorismo

Tamanho do texto Aa Aa

A vida em Moscovo e os preparativos para a passagem de ano parecem estar decorrer sem grandes preocupações. Mas é isso mesmo: pura aparência. A capital russa foi colocada em estado de alerta, com o presidente Vladimir Putin a ordenar um reforço de segurança a nível nacional, com particular incidência nos transportes públicos e na cidade de Volgogrado, onde dois suicidas não identificados ainda a qualquer grupo fizeram explodir bombas no domingo (central de comboios) e na segunda-feira (um autocarro), provocando em conjunto mais de 30 mortos e cerca de 60 feridos.

Os atentados assustaram o Kremlin e por isso a Praça Vermelha, que será o centro dos festejos de Moscovo na entrada em 2014, está repleta de forças policiais e rodeada por detetores de metais. Os cidadãos compreendem e agradecem a preocupação. É o caso de Lyudmila Tarkhanova: “Eu apoio todas estas medidas de controlo porque nós, os cidadãos comuns, precisamos de segurança. Apesar disto tudo, sentimo-nos desprotegidos. É um momento perigoso.”

Sergei Shterman, um residente de Moscovo, explica-nos que, “de um modo geral, os serviços secretos funcionam bem”. “Mas este tipo de acontecimentos como os de Volgogrado são difíceis de prever. Em qualquer país podem acontecer atentados destes e não interessa se as forças de segurança estão bem preparadas ou não.”

Olimpíadas ao virar da esquina
A pouco mais de um mês do arranque dos Jogos Olímpicos de Inverno, que a Rússia organiza em Sotchi entre 7 e 23 de fevereiro, a segurança tornou-se na grande prioridade do Kremlin a reboque dos atentados de Volgogrado. É, aliás, a grande preocupação de Vladimir Putin, cujas últimas semanas tinham vindo a servir para o presidente promover um pouco a imagem da Rússia aos olhos do Mundo.

Vladimir Putin quebrou, entretanto, o silêncio sobre Volgogrado. No discurso que habitualmente dirige ao país no final de cada ano, o presidente, que se encontrava na cidade Khabarovsk, no leste da Rússia, centrou-se desta feita nos atentados.

“Inclinamos a nossa cabeça perante as vítimas destes terríveis atos. Vamos continuar, feroz e consistentemente, a lutar contra os terroristas até à sua completa aniquilação”, prometeu Putin.