Última hora

Última hora

Chumbar ou não chumbar o ano, eis a questão

Em leitura:

Chumbar ou não chumbar o ano, eis a questão

Tamanho do texto Aa Aa

Como se sentiria se tivesse de repetir um ano na escola? Ou se o repetisse várias vezes? Esta semana, em Learning World, mostramos-lhe três histórias que revelam diferentes estratégias de tentar alcançar o sucesso escolar. Uma delas passa por chumbar os alunos que não revelam capacidade de avançar no ensino, dando-lhes desta forma uma segunda oportunidade de realmente aprenderem e poderem chegar ao ano seguinte devidamente preparados. Mas este é um modelo polémico e há, claro, quem discorde dele e tenha ideias diferentes.

Começamos no Uruguai. Neste país da América do Sul, vizinho do Estado brasileiro de Rio Grande do Sul, era comum os alunos chumbarem e repetirem anos atrás de anos. De acordo com a UNICEF, 19 por cento dos estudantes uruguaios repetem pelo menos um ano – o triplo da média registada na América Latina. Aulas extracurriculares e explicações foram implementadas na escola secundária que visitámos e onde conhecemos Andrea, uma aluna que acedeu voluntariamente a participar nestas aulas e que nos conta como se está a dar.

Mudamo-nos para a Hungria, um país que está a nadar contra a corrente no que toca ao sistema de ensino. Durante muitos anos, as repetições de anos escolares foram abolidas. O sucesso escolar era alto, mas apenas aparente, o que motivou o governo a recuperar os chumbos. Agora até as crianças de seis anos podem ser obrigadas a repetir o ano. Porquê? O diretor do Instituto de Investigação Educacional, Jozséf Kaposi, explica que não se deve tratar de um castigo nem de uma humilhação, mas sim demonstrar-lhes que é “uma segunda oportunidade para terem sucesso”. É o que assume Dávid Penta, de 22 anos, que frequenta uma escola secundária especial para jovens problemáticos.

Mas nem todos os húngaros concordam com a recuperação desta lei dos chumbos. O psicólogo e especialista em educação Tamás Vekerdy, por exemplo, considera que a repetição de um ou mais anos pode acentuar os problemas, por exemplo, de uma criança proveniente de um meio social problemático e considera que os chumbos poderão vir a resultar mais tarde no abandono escolar prematuro.

Por fim, colocamos frente a frente dois especialistas, cada qual defensor de um dos lados neste debate sobre as vantagens e desvantagens de as crianças repetirem anos escolares. Descubra os argumentos e entre na discussão, comentando o tema na página de Internet da euronews e nas redes sociais.