Última hora

Última hora

Povo enaltece Sharon como herói nacional de Israel

Em leitura:

Povo enaltece Sharon como herói nacional de Israel

Tamanho do texto Aa Aa

Um escudo protetor é o que revela ser o povo israelita para o controverso Ariel Sharon, que morreu este sábado em Telavive. Novos, velhos, homens e mulheres, todos estão em sintonia: o antigo primeiro-ministro é um herói nacional.

Um israelita questionado pelo enviado especial da euronews a Telavive, Luis Carballo, diz que vai recordar Ariel Sharon como “um comandante de exército muito eficiente”. “Pelo que fez na guerra de Yom Kippur, penso que todos os israelitas estão mais ou menos a par dos feitos dele. Contrariou as ordens do próprio chefe e levou por diante o que ele acreditava ser o mais correto. E foi, de facto, o mais correto. É esta a lembrança que vou guardar”, rematou.

Um outro, mais velho, descreve o antigo primeiro-ministro como “um dos grandes homens deste Mundo”. “Foi um homem, um ser humano, que gostava de se rir e de fazer o mais correto. Tomou decisões em cima dos acontecimentos. Nunca quis esperar muito nem saber o que outros pensavam. Se há alguma para ser feita, deve fazer-se logo e ele fazia-o, assim, no momento. Era um grande homem, não digo fisicamente, mas de pensamento. Era muito inteligente e um homem muito forte”, concluiu.

Uma israelita guarda-o na memória também como “um grande homem”, que “fez muitas coisas por Israel”. “Podemos mesmo dizer que é um herói e uma grande parte da história. Foi muito triste a forma como tudo acabou, mas ele foi muito grande e vai ser lembrado”, garantiu.

Questionada por Luis Carballo, se apenas recordava as boas coisas, não as más, esta israelita defendeu que “toda a gente fez coisas boas e más”, mas o que é se deve registar é o “impacto que tiveram” essas pessoas. “Ariel Sharon teve um grande impacto em Israel, na formação do país tal como é hoje, e isto é o mais importante de que nos devemos lembrar”, concretizou.

Luis Carballo, por sua vez, que aterrou em Telavive quatro minutos antes do anúncio da morte de Ariel Sharon, encontrou a edição de sexta-feira do jornal Yedio Aharonot, onde leu que mesmo na véspera já o inevitável era esperado. Era uma questão de horas a morte de Ariel Sharon. “Israel despede-se de Sharon em pleno Shabat. Despede-se de um político controverso e de um militar condecorado. Tinha virtudes e defeitos, mas o que fica neste final é uma certa admiração pela forma como o velho general lutou nesta derradeira batalha”, concretiza o enviado especial da euronews.