Última hora

Última hora

Banco Mundial prevê crescimento de 3,2% para a economia mundial

Em leitura:

Banco Mundial prevê crescimento de 3,2% para a economia mundial

Tamanho do texto Aa Aa

A economia mundial deverá crescer 3,2%, segundo as estimativas do Banco Mundial, que reviu em alta as suas projeções globais para a expansão económica em 2014. Em junho passado, as estimativas apontavam uma expansão de 3% para 2014, depois do crescimento de 2,4% registado em 2013.

Segundo o principal autor deste relatório, Andrew Burns, responsável pelo departamento de macroeconomia global no Banco Mundial, “Pela primeira vez em cinco anos, as economias de altos rendimentos estão a acelerar e vão contribuir para o crescimento global, e isto é bom sinal para os países em desenvolvimento”. Burns ressalva que “A única incógnita no horizonte é o fator de abrandamento da injeção de dinheiro na economia americana, saber como vai afetar os países em desenvolvimento”, acrescentando que “A nossa expectativa é que este processo tenha uma evolução relativamente suave.”

O Banco Mundial prevê um crescimento de 2,8% para a economia americana (depois do crescimento de 18% registado em 2013) e um crescimento de 1,1% para a zona euro (depois da queda de 0,4% verificada no ano passado).

Para o Banco Mundial, a expansão das economias mais poderosas reforçará o crescimento nos países em desenvolvimento.

Os Estados Unidos liderarão o crescimento, mas a retirada dos estímulos à economia norte-americana poderia levar ao aumento das taxas de juro, o que viria a afetar negativamente os países mais pobres, com os investidores a voltar-se para ativos mais atrativos, como as obrigações do Tesouro.

Com taxas de juro a subir demasiado depressa, o fluxo de capital para os países em desenvolvimento poderá cair em 50% ou mais durante alguns meses, o que se traduziria em crise para algumas das economias mais frágeis.

Ainda segundo este relatório, espera-se que o crescimento do comércio mundial este ano
quase duplique, em relação a 2012, uma vez que as economias desenvolvidas ajudarão a impulsionar os países emergentes, dependentes das exportações.