Última hora

Última hora

Ministro israelita pede desculpa mas não desmente ofensas a John Kerry

Em leitura:

Ministro israelita pede desculpa mas não desmente ofensas a John Kerry

Tamanho do texto Aa Aa

O ministro da Defesa de Israel, Moshe Yaalon, está no centro de uma polémica diplomática com os Estados Unidos. E isto mesmo depois de já ter emitido um pedido de desculpas ao secretário de Estado norte-americano, John Kerry, a quem terá ofendido durante uma conversa privada.

Nas páginas do jornal israelita “Yediot Ahronot”, Moshe Yaalon é citado a dizer que Kerry tem a mania que é um Messias e que o secretário de Estado norte-americano é obsessivo em relação ao plano de paz que desenhou para as negociações israelo-palestinianas em curso desde julho.

“Não tive qualquer intenção de ofender John Kerry. Peço desculpa se o secretário de Estado se sentiu ofendido das declarações que me foram atribuídas”, disse, em comunicado, Moshe Yaalon, sem, contudo, desmentir as declarações publicadas pelo jornal.

Antes do pedido de desculpa, Washington já havia, entretanto, reagido à notícia e censurado as alegadas ofensas a John Kerry. “Se estes comentários estão corretos, as declarações do ministro da Defesa israelita são ofensivas e inapropriadas. Em especial por tudo o que os Estados Unidos fizeram e continuam a fazer pela segurança de Israel”, afirmou Jennifer Psaki, porta-voz do departamento de Estado norte-americano.

O primeiro ministro de Israel também não gostou das alegadas declarações do seu ministro da Defesa e, em pleno Knesset, o parlamento israelita, tentou minimizar os danos. Benjamin Netanhyahu disse haver “por vezes divergências com os Estados Unidos”, mas “nunca” – garantiu – “por questões pessoais.”

John Kerry tem-se desdobrado em reuniões com ambas as partes do processo de paz israelo-palestiniano. Uma negociação que arrancou em julho, mas que se tem revelado complicada, em especial, ao que parece, pela intransigência israelita, que ainda há poucos dias anunciou a intenção de construir mais 1400 colonatos em territórios da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental.