Última hora

Última hora

Feira de mobiliário de Colónia

Em leitura:

Feira de mobiliário de Colónia

Tamanho do texto Aa Aa

Um autêntico paraíso, para os amantes de design de interiores – mais de 1000 expositores, na cidade alemã de Colónia, mostram tudo o que pode fazer uma casa acolhedora.

A Alemanha é lider europeu, na compra de mobiliário. Cada alemão gasta, em média, 400 euros por ano, na compra de mobílias e afins.

A Feira de Colónia está aberta para profissionais e também para o público.

E para este ano, não se vislumbra qualquer tendência especial, segundo o diretor do certame:

“A tendência é que não há tendência – o que significa que todos podem comprar o que quiserem, porque é essa a tendência. Claro que há uma conceção para o futuro, vocacionada para a funcionalidade, luz e design que joga com as cores”.

Um sofá ajustável, concebido pela empresa Rolf Benz ganhou um prémio de inovação para interiores. Existe em 300 tonalidades e custa um pouco mais de 4000 Euros.

Uma mesa, chamada Soma, promete que nunca ninguém se cansará dela, porque lhe pode alterar a aparência das pernas, e até o tampo fica diferente.

Os lápis não servem apenas para desenhar. Têm outra função, graças a uma empresa dinamarquesa que os usa para fazer abat jours.

Um candeeiro de mesa custa 160 euros e um candeeeiro padrão 429.

O papel de parede está de volta – na feira, foi apresentado um ensaio, chamado “Psicologia do Papel de Parede”. Os alemães levam esta questão muito a sério. Até existe um instituto do papel de parede.

Ivona Matas é reumatologista, mas estuda os efeitos do papel de parede, nas pessoas que o usam:

“Descobrimos diferentes tipos de papel de parede – há o tipo descuidado. Mas outros que são muito preocupados com o prestígio. É o que está exposto, aqui, nesta sala – cola e nada é mais pragmático.Temos também pessoas que são muito loucas e criativas na escolha do papel de parede”.

Se alguém quiser uma exposiçao na casa de banho, tem aqui por onde escolher. Um chuveiro que parece um cisne, feito de um bloco de mármore. Mas atenção, custa 50 mil euros.

Há ainda peças recicladas, para responder a urgências de momento, como os caros usados pelas tripulações, nos aviões. Aqui custam entre 219 e 998 Euros.

Uma feira que dura há 65 anos. A edição de 2014 está aberta até domingo.