Última hora

Última hora

Stieg Larsson detonou o "Nordic Noir" nas livrarias mundiais

Em leitura:

Stieg Larsson detonou o "Nordic Noir" nas livrarias mundiais

Stieg Larsson detonou o "Nordic Noir" nas livrarias mundiais
Tamanho do texto Aa Aa

Os livros policiais nórdicos, os apelidados “Nordic Noir”, são cada vez mais procurados. Em especial no Reino Unido, onde visitámos algumas livrarias e o pudemos constatar. A ficção policial com cenários nos países nórdicos é a que vende mais dentro do género e isso já valeu bancas especiais dedicada somente à literatura criminal escandinava.

O autor Barry Forshaw escreveu o livro “Nordic Noir” (Pockets Essentials, 2013), onde fala sobre estes escritores vindos do Norte. Diz ele que tudo começou com a trilogia “Millenium”, iniciada em 2005 com “Os homens que Odeiam as Mulheres”, a primeira parte das aventuras de pirata informática Lisbeth Salander.

“Stieg Larsson, na minha opinião, foi a explosão. Foi a máquina que pôs isto tudo a acontecer. Percebi que havia um grande número de escritores criminologistas suecos, dinamarqueses e noruegueses. Estavam lentamente a conseguir ser traduzidos e os britânicos estavam esfomeados, queriam saber quem eram os bons. Leram Henning Mankell e gostaram de “Kurt Wallander”. O que se pode ler depois de “Wallander”? As pessoas precisavam de um guia”, afirma Barry Forshaw, como que a justificar o que subtitulou como “o guia de bolso essencial para os livros, séries de televisão e filmes escandinavos sobre crime.”

São cada vez mais os policiais nórdicos nas prateleiras das livrarias. Anunciado para 2015 pela editora portuguesa LeYa, por exemplo, está já a edição do quarto volume da até agora trilogia “Millenium”. A morte do autor original Stieg Larsson, em 2004, aos 50 anos e sem ter conhecido a fama mundial, não travou os editores. A sueca Norstedts confirmou a sequela e anunciou como autor do quarto volume David Lagervrantz, conhecido pela biografia de 2011 “I am Zlatan”, do futebolista Ibrahimovoc, e que se tornou n livro mais rápido vendeu na Suécia.

Só em Portugal, a trilogia “Millenium” vendeu quase 160 mil exemplares. Em todo o mundo, ultrapassou os 75 milhões e, para além de 3 versões cinematográficas em sueco, já têm uma versão transformada em “blockbuster” pela indústria do cinema americano.

Mas qual terá sido o segredo que agarrou os leitores britânicos aos policiais nórdicos? “O clima frio”, responde-nos de pronto Barry Forshaw, acrescentando: “Ambos os países têm climas frios. Houve outras coisas – talvez também uma certa semelhança política na forma de pensar. Os italianos e os países mediterrânicos parecem seguir um tipo de vida diferente. Não era de todo a nossa vida e gostámos da diferença que a ficção sueca nos oferecia. Mas também das parecenças.”

Há alguns anos, a literatura sueca era exclusiva de alguns leitores mais atentos. Entretanto, a fama explodiu e tornou-se moda. Numa das livrarias londrinas da cadeia Waterstone, Joseph Knobbs explica-nos que a literatura policial escandinava “cresceu praticamente do zero para se tornar na líder de vendas entre a ficção criminal”. E quanto vale atualmente os livros de “Nordic Noir”? “Não posso dar números concretos, mas é muito”, concretiza Knobbs.

Barry Forshaw confessa, por fim, que a pergunta que mais lhe é colocada atualmente é: “O que se vai seguir ao ‘Nordic Noir’, qual vai ser a próxima moda?”. “A minha resposta é: mais ‘Nordic noir’. Há ainda muitos autores escandinavos muito bons à espera de serem traduzidos e conhecidos”, garante o escritor britânico.

Mais sobre le mag