Última hora

Última hora

Três anos depois da revolução Egito sofre com violência

Em leitura:

Três anos depois da revolução Egito sofre com violência

Três anos depois da revolução Egito sofre com violência
Tamanho do texto Aa Aa

No dia 25 de janeiro de 2011, milhares de egípcios saíram às ruas para pedir a queda de Hosni Moubarak. Durante 18 dias, a praça Tahrir foi o epicentro de um movimento de contestação sem precedentes.

No dia 11 de fevereiro de 2011, Hosni Moubarak demitiu-se e transferiu os poderes para o exército. Uma era tinha chegado ao fim. O Conselho Supremo das Forças Armadas anunciou a dissolução do Parlamento e a suspensão da Constituição, duas das principais reivindicações dos manifestantes.

Em junho de 2012, Mohamed Morsi venceu as primeiras presidenciais democráticas da história do país.

Um ano mais tarde, o presidente foi deposto pelo Exército, que justificou o afastamento com o descontentamento de uma grande parte da população.

Desde então, o país está profundamente dividido e amarrado à violência. As autoridades interinas iniciaram uma repressão implacável contra a Irmandade. Vários milhares de apoiantes foram mortos ou presos, depois de o general Abdel Fattah al-Sissi ter deposto Morsi.

Desde dezembro, a Irmandade Muçulmana é classificada como uma organização terrorista.

Esta semana, a Amnistia Internacional publicou um relatório sobre a situação no Egito, em que denuncia uma “violência de uma magnitude sem precedentes”. As autoridades militares são acusadas de utilizar todos os recursos para reprimir a oposição e violar os direitos humanos…

“Temos um longo caminho a percorrer para atingir os objetivos da revolução de 25 de janeiro e mesmo as exigências do povo que saiu às ruas a 30 de junho. Penso que o primeiro passo é respeitar genuinamente e de uma maneira credível os Direitos Humanos… e temos de nos lembrar sempre que é a pobreza e a marginalização que estão na origem de distúrbios políticos, violência com motivações políticas ou aquilo a que chamamos terrorismo”, afirmou Khaled Mansour, diretor da Egyptian Initiative for Personal Rights.

Eleições presidenciais e legislativas devem ser organizadas em breve no Egito, depois de ter sido adotada uma nova Constituição por referendo este mês. O general Sissi deixou a porta aberta a uma candidatura.