Última hora

Última hora

"O segredo de Brokeback Moutain" na ópera

Em leitura:

"O segredo de Brokeback Moutain" na ópera

Tamanho do texto Aa Aa

Depois do sucesso da adaptação cinematográfica, “O segredo de Brokeback Moutain” tem agora uma versão operática.

O romance da escritora norte-americana Annie Proulx retrata a complexa história de amor entre dois cowboys nos Estados Unidos entre os anos 60 e os anos 80.

A ópera foi composta por Charles Workinen. O libreto foi escrito em conjunto pelo compositor e pela própria autora do romance.

“Por acaso trata-se de uma relação homossexual, o que para certas pessoas pode ser controverso. Mas não se pode continuar a fazer versões de óperas que falam sempre nos mesmos problemas que já não nos interessam. Tiveram relevância social no passado, há centenas de ano ou mais mas agora são aborrecidas”, diz Charles Workinen o diretor da ópera.

O drama é incarnado pelo Tenor norte-americano Tom Randle e pelo barítono canadiano Daniel Okulitch.

As comparações com o filme são inevitáveis.

“Não vi o filme. Sou,provavelmente a única pessoa no mundo que ainda não viu o filme, estive para vê-lo mas acabei por não o ver. Quando me pediram para incarnar este papel há alguns anos, eu tinha quase decidido não aceitar, talvez erradamente, mas pensava que não seria útil do ponto de vista da interpretação ou da interpretação da música e do libreto porque se trata de uma peça nova”, conta Tom Randle.

“Por mais que admiremos as interpretações dos atores do filme, a questão não é tentar imitá-los porque o libreto da Annie Proulx é bastante diferente. Há coisas magníficas na interpretação de Heath Ledger mas não estamos a recriar o filme”, sublinha o barítono canadiano Daniel Okulitch.

A ópera “O segredo de Brokeback Mountain” está em cena no Teatro Real de Madrid até 11 de Fevereiro.