Última hora

Última hora

EUA: Barack Obama ameaça agir sem aval do Congresso

Em leitura:

EUA: Barack Obama ameaça agir sem aval do Congresso

Tamanho do texto Aa Aa

Barack Obama iniciou, esta noite, o discurso sobre o Estado da União afirmando que “2014 pode ser um ano decisivo para o país”.

Perante as duas câmaras do Congresso, Obama anunciou que pretende dar um impulso à classe média de modo a melhorar a economia. O Presidente propõe aumentar o salário mínimo, apesar da oposição do Congresso.

“Trago aqui, hoje, um conjunto de propostas concretas para acelerar o crescimento, fortalecer a classe média, e construir novas escadas de oportunidade para a classe média. Alguns exigem ação do Congresso, e eu estou ansioso para trabalhar convosco, mas a América não vai ficar parada, nem eu. Então, onde e sempre que puder, darei passos sem legislação, de modo a expandir oportunidades para mais famílias norte-americanas. É isso o que vou fazer”, assegura o presidente norte-americano.

Em relação à política externa, Barack Obama, declarou que a al-Qaida está “no caminho da derrota”.

Quanto ao programa nuclear do Irão, o presidente norte-americano desafia os líderes iranianos a aceitarem resolver a questão diplomaticamente.

Obama afirma que “se os líderes do Irão não aproveitarem esta oportunidade então, serei o primeiro a pedir mais sanções e a estar pronto para exercer todas as opções, de modo a garantir que o Irão não vai fabricar uma bomba nuclear. Mas se os líderes iranianos aproveitarem a oportunidade, e vamos sabê-lo em breve, então o Irão pode dar um passo importante para se juntar à comunidade das nações e teremos resolvido um dos principais problemas de segurança, do nosso tempo, sem o risco de guerra.”

No discurso sobre o Estado da União, Barack Obama qualificou como “vergonhoso” o facto de, em 2014, as mulheres continuarem a receber menos do que os homens, em trabalhos similares.

O presidente usou, ainda, o discurso para apelar aos norte-americanos para se inscreverem nos planos de saúde do “Obamacare”, e reiterou que resistirá aos esforços republicanos para aboli-lo.