Última hora

Última hora

Desemprego e "falências fraudulentas" ateiam contestação na Bósnia-Herzegovina

Em leitura:

Desemprego e "falências fraudulentas" ateiam contestação na Bósnia-Herzegovina

Tamanho do texto Aa Aa

Capital económica da Bósnia-Herzegovina, Tuzla voltou a ser palco de confrontos no dia em que as manifestações por causa da grave crise no país alastraram a outras cidades.

Entre 2000 a 6000 pessoas concentraram-se esta quinta-feira junto à sede do governo regional para condenar o que classificam de “falências fraudulentas” de empresas privatizadas recentemente.

Cerca de 50 pessoas receberam tratamento hospitalar e a polícia procedeu a mais uma dezena de detenções no segundo dia de protestos em Tuzla, o coração industrial da Bósnia, o país com a taxa de desemprego mais elevada nos Balcãs, 27,5%, segundo os dados oficiais.

A contestação propagou-se a outras cidades e chegou a Sarajevo. Na capital, uma jovem licenciada e desempregada diz que a culpa é do governo porque “vendeu as companhias estatais ao desbarato, deixando as pessoas sem as suas pensões, sem segurança social”. Afirma que as “famílias não têm nada para comer enquanto os políticos roubam o povo”.

As politiquices entre etnias têm minado a governação e o desenvolvimento do país desde a Guerra da Bósnia, entre 1992 e 1995. A maioria da classe política é vista como sendo corrupta.