Última hora

Última hora

Sochi 2014: Tocha olímpica realiza derradeiro passeio por Sochi

Em leitura:

Sochi 2014: Tocha olímpica realiza derradeiro passeio por Sochi

Tamanho do texto Aa Aa

A tocha olímpica realizou esta quinta-feira um simbólico derradeiro passeio pela cidade russa de Sochi, que a partir de sexta-feira recebe oficialmente os XXII Jogos Olímpicos de Inverno.

A segurar a tocha neste passeio andou o ministro russo dos Negócios Estrangeiros. No final, Serguei Lavrov falou aos jornalistas e revelou algum incómodo quando confrontado com as anunciadas recusas de alguns destacados líderes, como Barack Obama, François Hollande ou David Cameron, em deslocarem-se a Sochi, para assistir aos Jogos.

“Esa é uma questão sem sentido, mas já que falou nisso… não me lembro de qualquer edição anterior dos Jogos Olímpicos que tenha sido antecedida por este tipo de conversas. Ninguém contava os chefes de Estado presentes ou ausentes. Apenas começaram a contar quando precisaram de arranjar algo mais para poderem criticar a Rússia, para nos fazerem sentir desconfortáveis”, acusou Serguei Lavrov, explicando que “os convites foram enviados, não pelo país organizador, mas pelo Comité Olímpico Internacional”. “Logo, essas pessoas que se têm em muito boa conta – esses políticos internacionais que anunciaram a recusa de aqui estar – recusaram, sim, foi o convite do Comité Olímpico. E nós felicitamo-los por isso”, rematou, com ironia, o responsável pela diplomacia russa

O Comité Olímpico Internacional já tinha anunciado, entretanto, a presença nestas Olímpiadas de invermno de pelo menos 44 líderes mundiais. Entre eles, estão o secretário-geral da ONU Ban Ki moon, que já chegou inclusivamente a Sochi, e o presidente chinês Xi Jinping, o qual terá previsto inclusive um encontro privado com o homólogo russo Vladimir Putin.

A pouco mais de 24 horas da cerimónia de abertura oficial dos jogos ainda existem alguns problemas por resolver na cidade, mas os habitantes de Sochi não se importam. “A eletricidade às vezes é cortada durante uma ou duas horas e há sempre um martelo pneumático que se ouve nas obras. E depois? Os Jogos valem isto tudo. Podemos tolerar todos estes inconvenientes. O nosso povo já sobreviveu a muito pior ao longo da história”, conta à euronews um residente de Sochi. Para um grupo de raparigas, alias, a festa já começou: “Estamos felizes por receber a tocha olímpica na nossa cidade e orgulhosas por ter os jogos aqui em Sochi”, afirmam antes de um uníssono e bem sonoro grito agudo de celebração.