Última hora

Última hora

Mau tempo ameniza mas amarelo ainda domina Portugal

Em leitura:

Mau tempo ameniza mas amarelo ainda domina Portugal

Tamanho do texto Aa Aa

Ter levado ao adiamento, de domingo para esta terça-feira, do jogo de futebol entre o Benfica e o Sporting não parece ter bastado. O mau tempo mantém-se, em especial por quase toda a costa Atlântica da Europa. Apesar de tudo, em Portugal, vai amenizar um pouco e, tudo indica, permitir que o dérbi de Lisboa seja, finalmente, realizado depois do forte vento do último domingo ter provocado a destruição de parte da cobertura do Estádio da Luz.

De acordo com as previsões veiculadas pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, dos avisos laranja e vermelhos dos últimos dias, Portugal vai estar, esta terça-feira, com predominância de amarelo, o que significa “situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica”, o que implica, no mínimo, o acompanhamento da evolução do estado do tempo ao longo do dia. Este aviso vai da região costeira de Setúbal até ao Minho e alarga-se para o interior a partir de Santarém, ocupando toda a largura de Portugal continental desde a Beira Baixa até Trás-os-Montes. Para as regiões autónomas da Madeira e dos Açores, desta vez o verde preenche o mapa de avisos para todas as ilhas.

De forma mais concreta, para todo o continente e para os Açores, as previsões apontam para céu nublado e, à exceção do Algarve, ocorrência de chuva. Na Madeira, o sol espreitará amiúde por entre períodos de céu muito nublado.

A única fonte de preocupação para a Proteção Civil portuguesa parece ser mesmo a região da bacia do rio Tejo, onde a povoação de Reguengo do Alviela – como aliás já é habitual quando surgem estas condições meteorológicas – ficou isolada. Várias estradas ficaram submersas com a subida das águas do rio provocada pela muita chuva e também pelas consequentes descargas das várias barragens portuguesas e espanholas, que estão a atingir os níveis máximos de capacidade.

No Reino Unido, entretanto, o caudal do rio Tamisa também subiu e galgou as margens a montante de Londres, inundando uma boa parte da província no sudeste britânica. Mais a ocidente, também Somerset foi vítima da aparente zanga dos ventos e mares do Atlântico.

No norte da Península Ibérica, a Galiza é a região espanhola mais afetada pela intempérie ou não fosse a mais exposta ao Atlântico no país vizinho. Ventos fortes compõem o principal alerta das autoridades para a região nesta terça-feira. Mais ao centro, na região de Castilla – Leon, centenas de crianças viram-se obrigadas a faltar à escola na segunda-feira por causa da neve. Vinte províncias foram, entretanto, colocadas em alerta por causa de nevões, que estão previstos ocorrer acima dos 600 metros de altitude. Em Madrid, as previsões apontam para uma sensação térmica a rondar os 10 graus negativos e os avisos apontam mesmo para queda de neve na capital espanhola. O centro de emergências 112 aconselhou mesmo os espanhóis a não saírem de casa sem os respetivos telemóveis devidamente carregados.

Do outro lado do Atlântico, para terminar, o Rio de Janeiro, no Brasil, bateu, segunda-feira, o recorde local de dia mais quente do ano, com os termómetros a atingir os 41,4 graus, com a humidade do ar de 39 por cento a ajudar os cariocas a suportar o dia com mais calor desde há mais de três anos.