Última hora

Última hora

Sochi: Suíça celebra São Valentim com ouro

Em leitura:

Sochi: Suíça celebra São Valentim com ouro

Tamanho do texto Aa Aa

A Suíça subiu ao segundo lugar do quadro de medalhas em Sochi depois de arrebatar os títulos olímpicos no super combinado e nos 15km estilo clássico. Os helvéticos têm agora quatro ouros conquistados.

No esqui alpino Sandro Viletta foi a grande surpresa. Em sete anos na Taça do Mundo, o esquiador de 28 anos apenas por uma vez tinha subido ao lugar mais alto do pódio. Voltou a fazê-lo agora e logo no maior palco do desporto mundial.

O lendário croata Ivica Kostelic cumpriu a tradição e conquistou a quarta medalha de prata da carreira nos Jogos de inverno. Continua sem conquistar o título mais desejado. No lugar mais baixo do pódio ficou o italiano Christof Innerhofer.

Campeão em Vancouver, o norte-americano Bode Miller desta vez não foi além do sexto posto.

A segunda vitória da Suíça surgiu no esqui de fundo, com o triunfo de Dario Cologna nos 15km estilo clássico. O esquiador de 27 anos recuperou de uma operação ao tornozelo direito mesmo a tempo de marcar presença em Sochi e já garantiu duas medalhas de ouro, depois de ter triunfado nos 30km skiatlo.

O sueco Johan Olsson ficou a 28,5 segundos, o seu compatriota Daniel Richardsson ficou em terceiro.

Depois de ter passado por dificuldades nas duas primeiras corridas, o bicampeão olímpico Petter Northug optou por não participar nesta prova.

O segundo ouro de Domracheva

No biatlo feminino, Darya Domracheva voltou a brilhar em Sochi e garantiu a segunda medalha de ouro na prova individual. Apesar de ter falhado um tiro, e do correspondente minuto de penalização, a bielorrussa arrasou por completo a concorrência.

Mesmo com um registo perfeito na carreira de tiro, a suíça Selina Gasparin concluiu a prova 1m15s depois de Domracheva. A campeã olímpica em Vancouver, Tora Berger, falhou três tiros e terminou a quase quatro minutos da vencedora.

Os adeptos bielorrussos têm tudo para estar satisfeitos com esta prova, Nadezhda Skardino conquistou a medalha de bronze.

Duas quedas não impediram Hanyu de chegar ao ouro

Na patinagem artística chegou ao fim o concurso individual masculino. Depois do abandono de Evgeni Plushenko era inevitável que o título olímpico fosse discutido entre o japonês Yuzuru Hanyu, vencedor do último Grande Prémio, e o canadiano Patrick Chan, campeão do mundo em título.

O nipónico mostrou estar mais forte, impondo-se quer no programa curto, quer no livre, mesmo sem conseguir evitar duas quedas no segundo dia.

Chan, no entanto, também esteve longe de ter uma prestação perfeita e teve de se contentar com a prata.

O herói do dia foi Denis Ten, do Cazaquistão, que depois do nono lugar no programa curto conseguiu ainda alcançar o lugar mais baixo do pódio.