Última hora

Última hora

"A Bela e o Monstro" com honras de fecho em Berlim

Em leitura:

"A Bela e o Monstro" com honras de fecho em Berlim

Tamanho do texto Aa Aa

Na contagem decrescente para a atribuição do Urso de Ouro, o festival cinema de Berlim apresentou, fora de competição, um dos filmes que prometem marcar o ano, pelo menos em termos de cinema europeu.

A nova versão do clássico “A Bela e o Monstro”, do francês Christophe Gans, conta com uma dupla de peso: Vincent Cassel é o monstro e Léa Seydoux é a bela.

O filme traz de regresso ao grande ecrã o conto de Gabrielle-Suzanne de Villeneuve. Além da obra de animação da Disney, a história teve aquela que é, até agora, a mais famosa adaptação ao cinema pla mão de Jean Cocteau, em 1946.

“Para mim, é uma forma de conversar com Cocteau, por quem tenho uma enorme admiração. Penso que os dois filmes são complementares e, de certa forma, mostram a persistência de uma certa cultura europeia”, diz Christophe Gans. Para Léa Seydoux, “precisamos de voltar a ser crianças, como dizia Jean Cocteau no início de “A Bela e o Monstro”. Havia um pequeno texto que dizia que, para ver filme, era necessário manter a alma de criança. Penso que é também o caso aqui”.

Com a apresentação deste filme, terminou a Competição Oficial – agora, todos esperam, com suspense, a atribuição do Urso de Ouro. Não há um favorito e é quase uma tradição, aqui em Berlim, que o filme vencedor seja uma surpresa. Reportagem do enviado especial da euronews ao Festival de Berlim, Wolfgang Spindler.