Última hora

Última hora

Estado francês e construtor chinês vão ser acionistas da Peugeot Citroën

Em leitura:

Estado francês e construtor chinês vão ser acionistas da Peugeot Citroën

Tamanho do texto Aa Aa

O conselho fiscal do grupo PSA Peugeot Citroën deu luz verde para que o Estado francês e o construtor chinês Dongfeng se tornem acionistas, no âmbito de um aumento de capital de três mil milhões de euros. Está previsto que os poderes públicos e a empresa asiática desembolsem 800 milhões de euros, cada um, em troca de 14% do capital do primeiro construtor automóvel francês.

A participação da família Peugeot diminui de cerca de 25% para 14%. Os fundadores da Peugeot vão perder o voto duplo, que lhes assegurava cerca de 38% dos direitos de voto. O número dos representantes no Conselho Fiscal deve ser reduzido de quatro para dois e Thierry Peugeot vai perder a presidência.

“O grupo PSA tem a tecnologia, mas vende sobretudo na Europa e não tem grande acesso ao mercado asiático, onde há imenso crescimento. Pelo contrário, Dongfeng não tem tecnologia, marca, mas oferece o crescimento do mercado asiático. Portanto, é uma boa sinergia”, vincou o ministro francês da Indústria, Arnaud Montebourg.

Uma cláusula prevê que Peugeot, Estado francês e Dongfeng não possam aumentar as participações durante dez anos, o que tem como objetivo principal limitar a influência da Dongfeng no seio do primeiro construtor automóvel francês.

O acordo final deve ser assinado no final de março durante a visita do presidente chinês Xi Jinpping a Paris.

O grupo PSA Peugeot Citroën emprega cerca de 195 mil pessoas em todo o mundo e vendeu 2,8 milhões de veículos no ano passado.