Última hora

Última hora

20 de fevereiro de 2014: O dia mais sangrento da História da Ucrânia após a independência

Em leitura:

20 de fevereiro de 2014: O dia mais sangrento da História da Ucrânia após a independência

Tamanho do texto Aa Aa

Nova noite de alta tensão na Praça da Independência, em Kiev, após o dia mais sangrento da História da Ucrânia, pelo menos desde o colapso da União Soviética, há mais de duas décadas.

Dezenas de cadáveres pelo chão, barricadas fumegantes, atiradores furtivos nos edifícios: A Praça Maidan assemelha-se a um teatro de guerra, um cenário de destruição e morte que é transmitido em direto do coração da Ucrânia para todo o mundo.

Segundo fontes médicas, só em Kiev, 67 pessoas foram mortas esta quinta-feira.

No teatro político, multiplicam-se as manobras diplomáticas em busca de uma saída para a crise. Nas ruas, reforçam-se as barricadas.

“É claro que estou com medo. Estamos todos com medo, mas se nada mudar ainda vamos sofrer mais. Todos entendem isto e é por isso que estamos aqui”, refere uma ucraniana, que ajuda a encher sacos com pedras da calçada.

“Os pedregulhos e os cocktails ‘mototov’ são instrumentos de autodefesa para nos protegermos da Berkut que agride e mata pessoas”, afirma outro cidadão.

Numa ação direta, junto à Praça da Independência, os manifestantes conseguiram prender perto de 70 polícias.

Há cerca de 10 anos, a Revolução Laranja não derramou sangue. Hoje, a Ucrânia está à beira da guerra civil.