Última hora

Última hora

Em leitura:

Musica: A versão sublime e minimalista de "Madame Butterfly"


musica

Musica: A versão sublime e minimalista de "Madame Butterfly"

Em parceria com

Sublime, minimalista e até “zen”. Estes são os adjetivos utilizados por muitos para descrever “Madame Butterfly” encenada por Bob Wilson. Esta produção do norte-americano, em palco na Ópera da Bastilha, em Paris, é já considerada um clássico. A “tragédia japonesa” de Puccini conta a história de amor de uma gueixa, Cio-Cio-San, aqui interpretada pela soprano búlgara Svetla Vassileva

A soprano acredita que “Cio-Cio-San pode ser considerada uma rebelde: por amor renega a sua religião e acaba por ser rejeitada pela própria família, pelo próprio mundo. E, até ao fim, encontra forças e fé para lutar.”

Svetla Vassileva revela que fez um esforço adicional para assumir este papel: “há momentos nesta ópera que me comovem profundamente. Bob Wilson, o encenador, pediu-me para representar de forma introvertida, sem nunca expressar muitas emoções, o que foi realmente difícil para mim, uma vez que sou emocional, extrovertida. Mas gostei muito porque se trata de um desafio novo para mim.”

O maestro italiano Daniele Callegari, que dirige a orquestra, fala de forma entusiasmada de uma produção pouco convencional. Callegari sublinha que “todos os movimentos feitos no palco pelos cantores estão estritamente ligados à música. Não acontecem por acaso. A coreografia desempenha um papel dramático muito importante e está ligada à música de forma perfeita.”

O maestro está muito satisfeito com o trabalho de toda a equipa. Considera mesmo que “esta ópera é muito gratificante, sobretudo porque tenho uma orquestra fantástica a acompanhar-me, a seguir a minha batuta de forma perfeita e sabe como “respirar” comigo. Também é fantástico quando a orquestra percebe exatamente o que se pede…cada pequena nuance é transmitida de forma extraordinária pelo fio invisível que existe entre a batuta e o palco.”

A soprano Svetla Vassileva acredita ainda que “Madame Butterfly” é a combinação perfeita de duas culturas distintas. Vassileva diz mesmo que “Puccini pôs muito da “alma italiana” nesta ópera, o que fez da protagonista uma mulher sensível e apaixonada. Mas o suicídio no final é um ato definitivamente ligado à cultura japonesa.”

Veja a entrevista na íntegra ao maestro Daniele Callegari, em italiano, clicando neste link:
‘Quando la provincia era fucina di talenti…’

Escolhas do editor

Artigo seguinte
Don Giovanni de Mozart na Vienna Staatsoper

musica

Don Giovanni de Mozart na Vienna Staatsoper