Última hora

Última hora

Ucrânia: Opositores de Ianukovich montam novo hospital

Em leitura:

Ucrânia: Opositores de Ianukovich montam novo hospital

Tamanho do texto Aa Aa

Os manifestantes antigoverno da Ucrânia que se mantêm firmes na Praça da Independência já encontraram um novo edifício para substituir aquele que foi destruído, terça-feira, no decurso da violenta investida da polícia antimotim, a Berkut. De forma pacífica, os opositores ao regime do Presidente Viktor Ianukovich entraram e assumiram o controlo das instalações do serviço de regulação das emissões de rádio e televisão no país.

A tomada do novo edifício foi, apesar de tudo o que se tinha passado poucas horas no centro de Kiev, pacífica e os manifestantes até se comprometeram a não invadir divisões onde existam documentos importantes. “Após o que aconteceu terça-feira, tivemos de procurar outro local onde pudéssemos descansar. Quando entrámos neste edifício, esta manhã [quarta-feira], encontrámos duas pessoas que aqui trabalham. Ao lado deles, selámos algumas portas e eles deixaram-nos algumas salas abertas onde não há nada importante”, contou à euronews, sob anonimato e de cara tapada, um ativista.

O objetivo dos manifestantes na tomada deste novo edifício é conseguirem apenas um posto de apoio e de assistência médica. Há, contudo, o receio de que o governo veja neste passo um motivo para por fim às tréguas, decretar estado de emergência e ordenar nova investida em força da Berkut. Talvez por isso, os manifestantes acederam a mostrar através da euronews que neste edifício está apenas a ser montado um género de hospital.

“Enquanto falamos, estamos aqui a montar uma unidade de cirurgia. Temos medicamentos, uma mesa para operações, instrumentos, pontos e cirurgiões. Estamos prontos para o pior cenário. Infelizmente”, explica-nos uma das voluntárias de saúde, que têm prestado assistência à revolução antigoverno.

As palavras desta ucraniana revelam, porém, o sentimento de desconfiança que domina o estado de espírito da maioria dos manifestantes. A incerteza do que irá acontecer nos próximos dias, quiçá, nas próximas horas, não deixa ninguém descansado no lado de dentro das barreiras de proteção que mantêm a polícia à ilharga da praça. O momento é de preparar o que aí vem. Para já, o hospital está de novo de pé.