Última hora

Última hora

Bem vindos a mais uma edição do boletim Olímpico

Em leitura:

Bem vindos a mais uma edição do boletim Olímpico

Tamanho do texto Aa Aa

Os Olímpicos de Inverno de Sotchi estão a chegar ao fim e no penúltimo dia de competição sete conjuntos de medalhas estiveram em jogo. A norueguesa Marit Bjoergen entrou para o panteão dos sextúplos campeões olímpicos, saindo vitoriosa dos trinta quilómetros de cross country.

Este sucesso trouxe a Marit Bjoergen a terceira medalha de ouro em Sotchi, a juntar à medalha arrebatada nos quinze quilómetros skiatlo e no sprint por equipas.

Esta é a sexta medalha de ouro da norueguesa e a décima medalha nestes Olímpicos de Inverno 2014. A equipa norueguesa conquistou ainda o segundo e o terceiro lugares.

Nas provas femininas de slalom paralelo, a Alemanha e a Áustria dominaram as medalhas.

Na prova feminina de snowboard, a austríaca Julia Dujmovits arrebatou o ouro, depois de derrotar a alemã Anke Karstens por 12 centésimas de segundo. O bronze ficou com outra alemã, Amelie Kober.

No slalom paralelo, o norte-americano nacionalizado russo Vic Wild não deixou alternativas aos seus rivais, e deu aos anfitriões a sua segunda medalha de ouro.

Curiosamente, mais de metade das medalhas de ouro conseguidas pela Rússia nestes jogos foram conquistadas por atletas nacionalizados. Para alémm das de Wild, contam as alcançadas pelo ex-coreano Ahn Hyun Soo. Agora especialista russo em patinagem em pista curta e a competir com o nome Victor Ahn, arrabatou em Sotchi três medalhas de ouro e uma de bronze. Sem esquecer as vitórias em pares e por equipas de Tatiana Volosozhar, ucraniana até 2010, em patinagem artística, assim como o ouro conquistado nos cinco mil metros por Vladimir Grigoriev, que competiu pela Ucrânia em Salt Lake City e Turim e que em Sotchi ganhou uma medalha de prata para a Rússia na corrida individual dos mil metros.

Entretanto, há também exemplos de um processo contrário, como o do snowboarder suíço de origem russa, Yuri Podladchikov, vencedor em halfpipe, ou da russa Kuzmina, que ganhou o ouro para a Eslováquia no sprint feminino de biatlo.

A esquiadora ucraniana Maryna Lisogor sob acusação de doping. Um comunicado do Comité Olímpico Nacional Ucraniano informou ter sido detetada trimetazidine no organismo da atleta, uma substância proíbida desde o passado dia 1 de janeiro. Recentemente Maryna Lisogor e Kateryna Serdyuk, boicotaram o sprint por equipas de esqui de fundo, como protesto pela probição do Comité Olímpico Internacional de usar um sinal de luto pelas vítimas mortais da violência policial na Ucrânia.

O porta-voz do Comité Olímpico, Mark Adams, sublinhou a deceção:

“É uma grande deceção para todos, também pessoal, mas demonstra também a nossa dura luta contra o doping”