Última hora

Última hora

"The Lady in Number 6" o documentário sobre a mulher que se agarrou à música e sobreviveu ao holocausto

Em leitura:

"The Lady in Number 6" o documentário sobre a mulher que se agarrou à música e sobreviveu ao holocausto

Tamanho do texto Aa Aa

Alice Sommer terá sido a mais antiga sobrevivente do Holocausto. A paixão pela música fê-la suportar esta provação. Morreu em Londres, a 23 de fevereiro, aos 110 anos. Ainda em vida, já “frágil”, disse:

“Estou cheia de alegria. Aqui em minha casa, sou a única que a rir, já ninguém mais o faz”.

O documentário “The Lady in Number 6” conta, na primeira pessoa, como sobreviveu num campo de concentração nazi:

“Posso dizer, sem hesitar, que o violoncelo salvou a minha vida, porque eu sabia o que se passava em Auschwitz e, por isso, tornei-me membro daquela orquestra porque enquanto eles quisessem música não podiam pôr-nos nas câmaras de gás. Era esse o tipo de lógica dos alemães”, palavras de uma Alice mais jovem completadas pela voz, já mais débil, de uma mulher com mais de uma centena de anos: “Eu sabia que íamos tocar e então pensei: enquanto podermos tocar nada de terrível acontecerá. A música está em primeiro lugar entre as artes. Leva-nos para uma ilha, com paz, beleza e risos”.

O documentário sobre esta mulher, nascida em Praga, que perdeu o marido e a mãe em Auschwitz está nomeado para um Óscar. Viu o filho, violoncelista, sobreviver à guerra mas abandoná-la em 2001.