Última hora

Última hora

O cinema e a música, uma relação para a vida

Em leitura:

O cinema e a música, uma relação para a vida

Tamanho do texto Aa Aa

O que seria da sétima arte sem as bandas sonoras que dão a intensidade certa a cada cena e nos ajudam a viver cada momento.

Os Óscares, entregues no próximo dia 2 de março, não esquecem a música e o candidato mais falado deste ano, para melhor canção, por se ter tornado viral e dado a volta ao mundo, é “Happy”, de Pharrell Williams, do filme “Gru – O Maldisposto 2”.

“Ao encontro de Mr. Banks”, por Thomas Newman, é candidato a melhor banda sonora, numa edição dos prémios onde a música ganha outra dimensão:

“É a primeira vez, é um momento histórico, que a Academia de cinema apresenta todos os candidatos nas categorias de canção e banda sonora”, explica o compositor Charles Fox.

Concorrem ainda Alexandre Desplat com “Philomena”; John Williams com “A Rapariga que Roubava Livros”; William Butler e Owen Pallett com “Her: Uma História de Amor” e Steven Price com “Gravidade”.

A competir com Pharrell Williams estão ‘‘Let It Go” de “Frozen: O Reino do Gelo”; “The Moon Song” de “Her: Uma História de Amor” e “Ordinary Love”,dos U2 no filme “Mandela: Longo caminho para a Liberdade.

Nestes Óscares quebra-se a tradição mas não muito:

“O que não queremos fazer é intrometer-nos na cerimónia normal dos Óscares. Essa é a parte mais importante do trabalho da Academia, é o evento do ano, por isso estamos a fazer o nosso próprio trabalho”, adianta o compositor Charles Fox.

“Gravidade”, de Alfonso Cuarón, é um dos favoritos deste ano, com 10 nomeações, para além de melhor banda sonora original, de que já falámos, é também candidato a melhor filme, realizador, atriz, edição de som, entre outros.