Última hora

Última hora

Ucrânia: Chefe da marinha vira casaca e jura fidelidade à Crimeia

Em leitura:

Ucrânia: Chefe da marinha vira casaca e jura fidelidade à Crimeia

Tamanho do texto Aa Aa

Eleito no sábado como comandante-chefe das forças navais da Ucrânia e alegadamente despedido este domingo de manhã, o Contra-Almirante Denis Berezovsky virou a casaca e à tarde jurou fidelidade ao recém-criado governo separatista pró-Rússia da República Autónoma da Crimeia. Um rude golpe de lealdade para Arseny Iatsenyuk, cujo Governo abriu um processo, inclusive, um processo a Berezovsky por traição à Nação.

Foi diante de câmaras de canais de televisão russos que ex-chefe das forças navais ucranianas prestou juramento à nova bandeira. “Eu, Berezovski Denis Alentinovich, juro fidelidade aos habitantes da República Autónoma da Crimeia e à cidade heróica de Sebastopol. Juro obedecer às ordens do Comandante-Chefe da República Autónoma da Crimeia, à cidade de Sebastopol e às ordens aprovadas pelos comandantes das unidades militares. Em conformidade com o código militar, juro servir o meu dever militar e proteger com bravura a vida e a liberdade dos habitantes da República Autónoma da Crimeia e da cidade de Sebastopol”, afirmou o agora considerado traidor da Ucrânia.

Pouco depois desta notícia, o Conselho de Segurança e Defesa (CSD) da Ucrânia revelou que o recém-nomeado Comandante-Chefe das forças navais já havia sido demitido antes de virar a casaca, tendo sido nomeado para o lugar, entretanto, o Almirante Sergiy Haiduk. A subsecretária do CSD ucraniano explicou, ainda, que, “durante o bloqueio das forças russas ao quartel-general da marinha”, Berezovsky “declinou oferecer resistência e baixou as armas”. “A Procuradoria abriu um processo criminal contra Denis Berezovsky, de acordo com o artigo 111: traição ao Estado”, concretizou Syumar.

Para o primeiro-ministro do novo governo separatista pró-Rússia da Crimeia, o juramento de Berezovsky marcou “um acontecimento histórico”. Sergii Axionov, que foi nomeado há apenas três dias pelo parlamento regional, mas que não é reconhecido pelo Governo nacional em funções na Ucrânia, foi mais longe e revelou que vai criar a marinha de guerra da República Autónoma da Crimeia, entregando o comando da armada ao contra-almirante Denis Berezovsky.

Tudo isto num dia que começou com o anúncio do Governo da Ucrânia em colocar as forças militares em estado de alerta face a uma eventual investida hostil das forças russas em territórios ucranianos, nomeadamente, claro, também na República Autónoma Crimeia, onde se mantém militares uniformizados armados, mas sem qualquer identificação a quem respondem.

Com estes novos eventos, a Crimeia ameaça agora mudar o curso da história da Ucrânia que parecia ter sido iniciada há uma semana em Kiev.