Última hora

Última hora

SarkoLeaks: o escândalo das gravações clandestinas das conversas do ex-presidente francês

Em leitura:

SarkoLeaks: o escândalo das gravações clandestinas das conversas do ex-presidente francês

Tamanho do texto Aa Aa

É o SarkoLeaks, o novo escândalo da política francesa, que relegou a Ucrânia para segundo plano.

As conversas privadas do ex-presidente Nicolas Sarkoz foram gravadas clandestinamente por Patrick Buisson, um dos seus mais próximos conselheiros.

Pior: as gravações foram publicadas pelo Canard Enchainé e pelo site atlantico.fr.

“Patrick Buisson saía de casa, de manhã, com um gravador no bolso do casaco e gravava na íntegra tudo o que se passava. Para ele, era como um ‘seguro de vida’. Ele tinha imensos inimigos no Eliseu e dizia aos amigos mais próximos que nâo fazia mal nenhum ter algumas informações sobre este e aquele”, explica Jean-François Ferjou, diretor do site atlantico.fr.

As conversas, em si, não contêm nada de demasiado escandaloso ou sensível. Contudo, o ‘timing’ da sua publicação não deixa de ser curioso: mês e meio antes das eleições municipais francesas.

Mas, sobretudo, atingem diretamente Nicolas Sarkozy e aqueles que lhe são próximos.

“É uma verdadeira traição. Todos nós sentimos isto como uma espécie de violação”, afirma Henri Guaino, um dos conselheiros de Sarkozy.

Resta agora saber que consequências terá o SarkoLeaks para o ex-presidente, numa altura em que os analistas consideram que ele se prepara para regressar à cena política, de olhos postos nas presidenciais de 2017.