Última hora

Última hora

Ucrânia: Diplomacia intensa não dá frutos

Em leitura:

Ucrânia: Diplomacia intensa não dá frutos

Tamanho do texto Aa Aa

Os intensos esforços diplomáticos desta quarta-feira, em Paris, com vista a encontrar uma solução para a crise ucraniana, não abriram o diálogo entre Kiev e Moscovo.

Foi o dia inteiro, primeiro no palácio do Eliseu, a residência oficial do presidente francês, depois em Quais D’Orsai, no ministério dos Negócios Estrangeiros.

No final das duas iniciativas, John Kerry afirmou nunca ter tido grandes expetativas que de que o diálogo fosse aberto. O secretário de Estado norte-americana declarou igualmente que “concordaram em continuar discussões intensas com russos e ucranianos, nos próximos dias, para ver como podem ajudar a normalizar a situação e ultrapassar a crise. Todas as partes concordaram que o importante é resolver os problemas através do diálogo”, sublinhou.

O ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros também esteve na capital francesa e foi parco em palavras. Referiu apenas que as “consultas vão continuar e que está confiante num desfecho positivo”. Quando lhe perguntaram porque não se encontrou com o homólogo russo… houve apenas um encolher de ombros.

Sergei Lavrov foi o centro das atenções, já que a Rússia se mantém irredutível na sua posição.

Estiveram em Paris, para tentar aliviar as tensões no sudeste ucraniano, os chefes da diplomacia russa, ucraniana, norte-americana, francesa, alemã, britânica e polaca.