Última hora

Última hora

Há 10 anos, Madrid acordava com o pior ataque terrorista da sua História

Em leitura:

Há 10 anos, Madrid acordava com o pior ataque terrorista da sua História

Tamanho do texto Aa Aa

Passaram-se 10 anos desde o mais sangrento ataque terrorista da História de Espanha. Na véspera do 10.º aniversário dos atentados islamitas em Madrid, a nação ibérica prestou homenagem às vítimas do 11 de março,

O tributo, no Teatro Real de Madrid, foi o primeiro ato oficial das cerimónias que têm como ponto alto um funeral de Estado, esta terça-feira, com a presença dos reis de Espanha.

A União Europeia dedica este dia à memória de todas as vítimas de ataques terroristas na Europa e no resto do mundo.

Uma vítima dos atentados recorda que ainda foi para casa, mas acabou por ser internada em estado grave. Não se lembra do que aconteceu, apenas de “estar fora do comboio”. Seguiram-se várias operações cirúrgicas, terapias e psicólogos. Hoje, Elisabeth Aguilar afirma: “A vida muito bonita”.

11 de março de 2004: A três dias das legislativas, Madrid acorda com as explosões coordenadas de mochilas colocadas em quatro comboios suburbanos. 191 pessoas morreram e perto de 2000 ficaram feridas.

21 pessoas foram condenadas por relação com os atentados, três das quais à revelia. Os sete principais responsáveis, segundo a justiça, suicidaram-se com explosivos, três semanas depois dos ataques.

10 anos depois do 11 M, há ainda um “risco provável” de atentado em Espanha, o nível dois de alerta terrorista, segundo informou o ministro da Administração Interna, Jorge Fernandez Diaz.