Última hora

Última hora

Salão Automóvel de Genebra: O futuro no presente

Em leitura:

Salão Automóvel de Genebra: O futuro no presente

Tamanho do texto Aa Aa

As novas tecnologias, aplicadas ao setor automóvel, são um dos motes deste Salão Automóvel de Genebra.

Um sistema, criado por um dos gigantes da informática, permite que os condutores acedam a algumas aplicações dos telemóveis no seu carro, enquanto conduzem.

Há várias marcas, de gama média e alta, que estão a apostar nesta e noutras tecnologias. O “Carplay” é um destes sistemas.

“Este sistema permite ao condutor aceder às aplicações do seu telefone no veículo, através de um ecrã. Aplicações como mapas, funções de telefone, música. Mas quando se trata de aplicações de redes sociais haverá limitações. Não vai permitir, por exemplo, acesso total ao Facebook como no telemóvel”, explica Anna Buettner, gestora da IHS Automotive.

As novas apostas tecnológicas aumentam o preço dos carros mas, segundo os construtores, facilitam a condução. Nos carros de luxo, como os da Rolls Royce, esta aposta é, facilmente justificável.

“O carro tem um design evolutivo do qual fazem parte uma série de novas tecnologias. Uma delas é a transmissão assistida por satélite. Esta tecnologia permite que o carro utilize o sistema de navegação do carro, mais informações de GPS, para prever o futuro, ver um pouco mais além. Quer dizer, o carro está preparado para a estrada seguinte”, adianta Robert Kilty, responsável de marketing da marca.

São as inovações futuristas que marcam este certame. A gama de luxo da Nissan, da Infiniti, tem um sistema que transmite às rodas as intenções do condutor, mais rapidamente do que um sistema mecânico tradicional.

Tudo é possível. A Toyota, por exemplo, criou um modelo onde a direção é controlada movendo o corpo. A tecnologia não é nova mas a aplicação é, já que este carro não tem volante.

Para quem gosta de ter o seu próprio espaço e dar nas vistas a fabricante francesa de motas personalizadas, Lazareth, criou um modelo onde o habitáculo se divide em dois. O veículo é um cruzamento entre uma moto e um carro alimentado por um motor Jaguar V8 supercharged.

“Claro que as pessoas ficam surpreendidas, porque é uma categoria incomum, de três rodas. Ou seja, não é nem um carro nem uma mota, é um veículo de três rodas. É reconhecido na Europa como um veículo de três rodas”, explica Ludovic Lazareth.

A Nissan apresentou o protótipo de um carro desportivo elétrico, modelo que entrará em produção daqui a três anos. Chama-se “Blade Glider” e usa tecnologia eletrónica que resulta, segundo a marca, em zero emissões de CO2.

O XL1, com motor a gasolina, da mota Ducati, de 1200cc, é o carro mais eficiente do planeta, em termos de consumo de combustível, segundo a Volkswagen. Este modelo terá edição limitada.

Também os chineses querem começar a dar cartas no setor automóvel e apresentaram, na Suíça, uma espécie de concorrente dos compactos elétricos europeus. Os fabricantes afirmam que é o veículo elétrico mais pequeno e que é responsável por zero emissões de carbono.